sexta-feira, 7 de novembro de 2014

Bicicletas: opção para possível caos no trânsito do Rio 2016

Redação SRZD

Mais de 6 mil pessoas participaram de um passeio de bicicleta no Aterro do Flamengo, Zona Sul do Rio, para comemorar o Dia Mundial sem Carro, em 22 de setembro deste ano. O uso do transporte cresce a cada dia na cidade, mas os ciclistas ainda encontram muita dificuldade. AoSRZD, o fundador da ONG Transporte Ativo, Zé Lobo, afirmou que o veículo será uma opção ao possível caos do trânsito durante as Olimpíadas de 2016. Segundo ele, a Prefeitura precisa expandir as ações para estimular o uso das bicicletas.
"Implantando novas infraestruturas, educando a população, principalmente os atores do tráfego, técnicos e usuários, e buscando disseminar a cultura do uso de bicicletas no ambiente urbano", disse.
A ONG Transporte Ativo defende o uso das bicicletas como meio de transporte e, inclusive, abriu o diálogo entre sociedade e governo. Zé Lobo foi um dos convidados a integrar o Grupo de Trabalho para Ciclovias da Prefeitura do Rio de Janeiro.
Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

SRZD: O uso de bicicletas cresce a cada dia no Rio de Janeiro. A cidade está preparada para o conforto dos ciclistas?
Zé Lobo: As cidades, assim como o Rio, vêm se adaptando para acomodar os ciclistas já existentes e ficar mais atraentes para novos usuários. O Rio vem se preparando faz tempo, mais de uma década, mas nos últimos cinco anos deu uma bela acelerada. Hoje, a cada dia que passa, o Rio se prepara mais para o conforto dos ciclistas. Mas ainda há um longo caminho pela frente para que possamos dizer que o Rio é sim uma cidade confortável e segura para os ciclistas.

SRZD: O Rio pode ser considerado a capital das bicicletas? Por quê?
Zé: No Brasil podemos sim considerá-la a capital das bicicletas, principalmente pela seriedade e objetividade com que o assunto vem sendo encarado e as perspectivas para o futuro. Sempre se pedalou muito no Rio e o volume de usuários vem crescendo diariamente, independente dos esforços governamentais. Porém, em muitas cidades pequenas pelo país a fora, as bicicletas têm uma representatividade bem maior que na Cidade Maravilhosa.
SRZD: A bicicleta pode ser uma alternativa para um possível caos no trânsito em 2016?
Zé: A bicicleta já é uma alternativa ao trânsito para muitas pessoas no Rio, e o número de usuários de bicicletas se iguala ao de usuários do metrô e dos trens, sendo o dobro dos usuários de táxis. Com as melhorias que vêm sendo feitas e buscadas, em 2016 a bicicleta será mais ainda uma opção para o caos em nosso trânsito, mas ainda não para todos. Sempre haverá aqueles que não usarão bicicletas ou similares, mas quanto mais os ciclistas forem compreendidos por todos, melhores serão as condições de uso, e mais usuários serão atraídos para este modal.

SRZD: A segurança do Rio, como no Aterro do Flamengo, preocupa os ciclistas? O que eles devem fazer? E o governo?
Zé: Sim, existem diversos pontos negros pela cidade e o Aterro é um deles. Os ciclistas devem se prevenir buscando rotas alternativas mais seguras, buscando pedalar em grupos e cobrando das autoridades soluções para estes pontos negros. O Governo, se realmente quiser promover o uso de bicicletas, deve dar maior atenção à estes fatos, buscando formas de reduzir roubos e a violência em nossas ruas.
Mapa cicloviário do Rio. Foto: Reprodução
Mapa Cicloviário do Rio: ciclovias, ciclofaixas, vias e calçadas compartilhadas.
http://www.sidneyrezende.com/noticia/240095+bicicletas+serao+opcao+para+possivel+caos+no+transito+do+rio+em+2016

Nenhum comentário: