quarta-feira, 24 de setembro de 2014

PROTESTE avalia 5 modelos de bicicleta infantil à venda; somente um é considerado seguro

Testes levaram em conta os critérios europeus de segurança, mais rígidos que os seguidos pelo Mercosul

Por Luiza Tenente - atualizada em 24/09/2014 09h51
Menino andando de bicicleta  (Foto: Thinkstock)
Você está pensando em presentear seu filho com uma bicicleta, no Dia das Crianças? Então preste atenção aos critérios de segurança dos modelos à venda. A PROTESTE – Associação Brasileira de Defesa do Consumidor divulgou à imprensa nesta terça (23) os resultados do novo teste feito com as versões infantis do produto, de aro 16, voltadas à faixa etária de 5 a 9 anos (1,09 m a 1,42 de altura). Das cinco marcas avaliadas (Caloi, Houston, Track & Bikes, Tito Bike e Colli Bikes), somente a Caloi foi considerada aprovada pelos cientistas. (veja os nomes completos dos modelos ao fim da reportagem)
Os critérios de análise levaram em conta o regulamento europeu, considerado pela PROTESTE como mais exigente do que o adotado no Mercosul (Mercado Comum do Sul, formado por Argentina, Brasil, Uruguai, Paraguai e Venezuela). “A norma seguida no Brasil é de 2002 e está desatualizada. Nós preferimos analisar os modelos de acordo com o padrão europeu para poder oferecer uma opção mais assertiva ao consumidor”, explica Dino Lameira, técnico do PROTESTE.
O assento da bicicleta da Colli partiu-se no teste de fadiga (Foto: Divulgação)
No chamado teste de fadiga, que não é exigido no Mercosul, foi examinada a resistência do garfo (parte que prende as rodas), do guidão, do selim e do pedal das bicicletas, após esforço de utilização. Simulou-se em laboratório a força que a criança produziria ao usar o brinquedo. A única marca reprovada nesse quesito foi a Colli: houve rachadura no garfo e ruptura do selim durante o teste.

Outro quesito importante, que inclusive pode ser observado por consumidores, é a proteção da corrente da bicicleta. Apesar de o regulamento seguido no Brasil não exigir que ela esteja totalmente coberta, a exposição pode machucar a perna da criança e enganchar nas roupas e cadarços de tênis. Nesse caso, a Houston, a Tito e a Track & Bikes foram reprovadas pela PROTESTE.

A avaliação também levou em conta a eficiência dos freios - apenas a Caloi, a Colli e a Houston se mostraram seguras nesse critério. Durante a avaliação, os cientistas perceberam que o modelo da Tito oferece um risco: se a criança só utilizar o freio dianteiro, bruscamente, pode haver capotamento. Já na Track & Bikes, o problema foi identificado quando o freio traseiro é acionado com a força mínima. De acordo com o teste, ele pode não ser travado devidamente.
O punho direito do modelo da Colli não tem espessura maior na extremidade (Foto: Divulgação)
E se a criança estiver pedalando e deixar escapar o guidão das mãos? Para evitar o acidente, os regulamentos do Mercosul e da Europa exigem que a espessura na extremidade da manopla seja maior do que a do restante da parte. Ou seja: um relevo na ponta impediria que a mão da criança escorregasse. Dos cinco modelos analisados, o único que não apresenta mudança de espessura na manopla, e que portanto está em desacordo com a norma, é o da Colli.  No regulamento europeu, há ainda uma exigência maior: que a extremidade seja 40 mm mais espessa que o restante da peça. Considerando este critério, nenhuma das marcas seria aprovada.
Você deve estar pensando que o uso das rodinhas ajuda a manter a segurança do seu filho, certo? Mas a PROTESTE mostrou que pode haver deformação delas com o peso da criança. Os modelos da Cori e da Track& Bike sofreram danificação no teste de carga. “Isso está em desacordo inclusive com a norma brasileira. Portanto, solicitamos ao Ministério Público o recall dos dois modelos”, afirma o pesquisador. Outro critério importante é ter rodinhas independentes do eixo traseiro da bicicleta, para que, na instalação e desinstalação, os pais não corram o risco de desajustar as configurações. Somente a Caloi apresentou essa vantagem.

É importante entender que as bicicletas vendidas no Brasil não precisam obedecer aos critérios europeus. Se o consumidor se sentir lesado pelo produto e acionar a Justiça, serão considerados os regulamentos do Mercosul para julgamento.

CRESCER entrou em contato com as quatro marcas reprovadas no teste. A Track Bikes afirmou que “o produto mencionado na pesquisa atende às normas de segurança estabelecidas pelo Inmetro. A avaliação feita pela PROTESTE segue normas europeias não utilizadas no Brasil.” A Tito Bike alega que o problema detectado no teste seria um caso isolado, já que as bicicletas da marca são aprovadas pelo Inmetro e testadas a cada 6 meses. Já a Houston afirma que todas os modelos dela estão em “conformidade quanto ao atendimento dos requisitos de segurança e de acordo com os padrões brasileiro pelo Inmetro.” Também justifica os problemas encontrados pela PROTESTE: a distância entre as rodinhas e centro do quadro da bicicleta atende à norma brasileira e a extremidade das manoplas é também aprovada pelo regulamento do país, não oferecendo riscos de deslize durante o uso por serem fabricadas com material resiliente. Ainda de acordo com a marca, a bicicleta analisada tem altura máxima do selim entre 560 mm e 635 mm, o que permite, de acordo com a norma brasileira, usar um disco protetor de corrente (em vez de cobertura total). Até o fechamento da reportagem, a Colli Bikes ainda não havia encaminhado um comunicado oficial.
E se você já comprou a bicicleta?


O ideal, de acordo com Dino Lameira, seria interromper o uso da bicicleta, caso tenha sido reprovada, e trocá-la por outra. Assim, se você não estiver disposto a comprar um produto novo, veja as dicas para evitar acidentes:

- Faça revisão periódica, a cada ano, da bicicleta. É importante verificar o ajustamento dos parafusos.

- Fique sempre próximo à criança no momento da brincadeira.

- Ao tirar ou colocar rodinhas, leve a uma oficina especializada. Assim, você evitará modificar as configurações da bicicleta.
Modelos testados:

 
Track & Bikes Dino Neon (Foto: Divulgação)
Tito T16 (Foto: Divulgação)
Houston NIC (Foto: Divulgação)
Colli Renault MTB (Foto: Divulgação)
Caloi Monster High (Foto: Divulgação)

http://revistacrescer.globo.com/Criancas/Seguranca/noticia/2014/09/proteste-avalia-5-modelos-de-bicicleta-infantil-venda-somente-um-e-considerado-seguro.html

Nenhum comentário: