terça-feira, 19 de agosto de 2014

Pesquisa mostra que cidades sem vias para ciclistas registram mais mortes

Governo reconhece falhas, mas ressalta redução de 60% na mortalidade em 10 anos. Em 2013, Detran contabilizou 27 óbitos, mais de dois por mês

Publicação: 19/08/2014 06:40 Atualização: 19/08/2014 06:56

Ciclista morto na EPIA em julho deste ano: ativistas pedem que sejam construídas vias exlcusivas na ligação entre as cidades do DF (Ed Alves/CB/D.A Press)
Ciclista morto na EPIA em julho deste ano: ativistas pedem que sejam construídas vias exlcusivas na ligação entre as cidades do DF

O número de ciclistas mortos no trânsito é maior em cidades do DF com pouca ou nenhuma ciclovia. A quantidade aumenta nas rodovias que ligam as regiões administrativas, pistas que também não têm espaço exclusivo para as bicicletas. Isso é o que mostra o levantamento feito pela ONG Rodas da Paz. Especialistas alertam: faltam campanhas educativas e fiscalização. Ativistas do pedal criticam o plano de construção de vias exclusivas para bikes. Segundo eles, o governo deveria priorizar as pistas de alta velocidade e fluxo intenso de veículos. Além disso, de acordo com eles, seria necessário atender primeiro as regiões mais distantes da capital. Hoje, comemora-se o Dia Nacional do Ciclista.

Ao longo de 2013, o Departamento de Trânsito do DF (Detran-DF) contabilizou a morte de 27 ciclistas, mais de duas vítimas por mês. Desses, 15 perderam a vida em rodovias federais ou distritais, e 12 em vias urbanas. Desse total, cinco mortes ocorreram na Estrutural, em Sobradinho, Sobradinho 2, Planaltina e Brazlândia, locais sem ciclovias. Samambaia e Guará — cidades que possuem, respectivamente, 5,1 e 6,5 quilômetros de via exclusiva — registraram dois casos. No últimos 39 dias, aconteceram outras quatro mortes, duas delas em rodovias distritais: uma na Estrada Parque Taguatinga (EPTG) e outra na Estrada Parque Indústria e Abastecimento (Epia).

De acordo com a secretária Institucional do Rodas da Paz, Renata Florentino, isso ocorre porque não houve prioridade para as ciclovias em locais que apresentam mais risco para os usuários. Ela explica que a bicicleta é um meio de transporte popular e a construção das ciclovias é uma forma de inclusão social. “Não podemos considerar essas mortes como acidente. Elas são resultado da falta de planejamento adequando, aliado à cultura da imprudência e da impunidade dos motoristas. São mortes evitáveis e preveníveis”, critica.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.
http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2014/08/19/interna_cidadesdf,443003/pesquisa-mostra-que-cidades-sem-vias-para-ciclistas-registram-mais-mortes.shtml

Nenhum comentário: