quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Ciclistas pedem mais segurança na ciclofaixa da Lagoa da Pampulha

Risco de acidentes na ciclofaixa e falta de diálogo da BHTrans com os ciclistas foram as principais reclamações


PUBLICADO EM 27/08/13 - 18h55
Grupos de ciclistas se reuniram com representantes da Comissão de Transporte, Comunicação e Obras Públicas da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) na manhã desta terça-feira (27), para discutir a situação das ciclofaixas na região da Lagoa da Pampulha, em Belo Horizonte.

Durante a audiência pública, solicitada pelo deputado Gilberto Abramo, os ciclistas reivindicaram a mão única na pista exclusiva para bicicletas e a retirada de bloqueios físicos, como blocos de concreto e olhos de gato, usados para separar a pista para carros da ciclofaixa. Na reunião, os representantes dos ciclistas reclamaram também da falta de diálogo e mostraram fotos e vídeos que evidenciam os problemas da ciclofaixa.
O diretor de planejamento da BHTrans, Célio de Freitas, esteve presente na audiência e disse que a mão única na ciclovia é inviável, uma vez que a pista deve atender quem procura lazer, quem usa a bicicleta como meio de transporte e, também, os atletas de alto rendimento. Ele afirmou, durante o encontro, que os dois primeiros grupos devem ser priorizados e que já foi lançado um edital de licitação para oferecer bicicletas públicas em oito pontos da lagoa. Quanto aos atletas de alto rendimento, o diretor afirmou que a BHTrans está negociando um espaço para que eles possam treinar.
Os ciclistas que estavam presentes discordaram da posição do representante da BHTrans e reforçaram os problemas na região que aumentam o risco de acidentes. O presidente da Liga Mineira de Ciclismo, Demerson Gomes, afirmou que não há conflito entre os grupos de ciclistas e sugeriu que aos sábados e domingos sejam colocados cones para ampliar as ciclofaixas para o uso voltado ao lazer.
O deputado que solicitou a audiência, Gilberto Abramo, também discordou da posição do representante da BHTrans e disse que vai processar o órgão judicialmente, pois, segundo ele, foram feitos vários alertas sobre os perigos da via e nada foi feito.
Com informações da ALMG
http://www.otempo.com.br/cidades/ciclistas-pedem-mais-seguran%C3%A7a-na-ciclofaixa-da-lagoa-da-pampulha-1.703983

Um comentário:

tarcisio disse...

Pra mim a ciclovia na Pampulha é a coisa mais burra que escutei esse ano.
E acho que o só fato dessa discussão existir (fazer ou não a ciclovia), e ciclistas precisarem pedir audiência publica contra o municipio, bem espelha a ignorância nossa (de não ter conhecimento, cultura) com relação ao esporte ciclismo e ao laser em cima de uma bicicleta.
Aliás, mal e porcamente, nós só entendemos e respeitamos o esporte e o lazer em torno do futebol...Parece ser a sina do povo brasileiro.
Esse nível de discussão jamais aconteceria num país de primeiro mundo. Aliás, um engenheiro que não sabe nada de ciclismos ou bicicleta jamais poderia ser chamado a planejar uma ciclovia. Ainda mais num local de lazer e esporte.
Por outro lado, tratar a lagoa da Pampulha, como um corretor de tráfico de bicicleta, como se fosse um corredor de trânsito qualquer, já é em si uma aberração.
Fazer estradinha de bicicleta para o trabalhador ir ao trabalho em plena lagoa da Pampulha (18 km de curva) é uma burrice sem tamanho. É desconhecer a própria cidade em que mora e trabalha. É desconhecer a história do local. Bem típico da ignorância.
Priorizar transporte publico, mobilidade pública, num local que historicamente é de lazer e esporte já resulta numa incoerência sem tamanho.
NÃO É SÓ UMA QUESTÃO DE SEGURANÇA E DE ATENDER A TODOS. É BURRICE MESMO!

Tarcisio – Farrapeiro.