sexta-feira, 3 de maio de 2013

Pedalar areja as ideias


POR FELIPE SILVEIRA

Não sei como é não ser um ciclista (não daqueles que usa capacete eparticipa de provas ou grandes pedaladas). Não sei porque uso a minha zica desde os 12 ou 13 anos, quando ela passou da condição de brinquedo para meio de transporte. Fui e voltei de bike para todos os cursos que fiz e também para quase todos os trabalhos que tive. De uns anos pra cá usei o carro com mais frequência, tanto por necessidade quanto por preguiça.

Essa introdução, um tanto pedante, confesso, tem um objetivo. Como não sei como é a vida sem bicicleta também não me sinto a vontade para dizer: compre uma bicicleta e comece a pedalar. É como tentar convencer um fumante a parar dizendo que é fácil. Não dá pra saber se você não fumou. Pra alguns é relativamente fácil, para outros é impossível.

O que eu posso dizer, no entanto, é que vale a pena tentar. Digo isso porque tive uma experiência parecida com um recomeço nessa semana e acredito que valha a penacompartilhar. Eu já estava há alguns meses sem a magrela, mas comprei uma usada há menos de uma semana e não demorou muito para perceber os benefícios que eu já conhecia, mas que havia esquecido por causa de outro tipo de comodidade que o carro traz.

Pra começar, estou há uma semana sem ligar o carro, o que me traz duas imensas vantagens imediatas. Não gastei gasolina e não peguei nenhum engarrafamento. Sabe aquela fila enorme que você enfrenta na avenida Beira-rio entre seis e sete horas da noite? Eu sou o cara passando de bicicleta pelo lado da pista. E, sem maldade, vocês não sabem como é boa a sensação. Esse é um convite para descobrir.

Outras duas vantagens têm a ver com o corpo e com a cabeça. Em duas pedaladas você já sente a respiração diferente e os músculos das pernas trabalhando. Mas não confunda com câimbras. Além disso, pode dizer adeus para aquela moleza que você sente após um dia todo no escritório e que te obriga a ver a novela, o seriado, o jornal e o programa do Jô antes de desmaiar na cama e acordar atrasado para outro dia de trabalho.

Mas, pra mim, a mudança mais importante é na cabeça. Sabe aquele negócio de ver a vida por outro ângulo? Você faz isso literalmente. O carro é uma prisão e uma armadura. A gente se sente seguro ali para enfrentar o mundo cão, mas, ao mesmo tempo, assustado por ele. Mas eu garanto que o lado de fora é bem mais legal. O ritmo é mais lento e o vento na cara areja as ideias. E, se tem uma coisa que o mundo precisa, é de ideias arejadas.

veja mais: http://www.chuvaacida.info/2013/04/pedalar-areja-as-ideias.html
Sugestão: achei o texto Pequenos do mundo, boicotem, de Thiago Domecini, publicado no site Nota de Rodapé, inspirador. E tem a ver com o que escrevi aqui hoje. Vamos boicotar esse sistema safado de transporte, a indústria do carro, o Verissimo, os jornais sem vergonha, os bancos...

Nenhum comentário: