segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Red Bull Signatures, sensacional!



Retrospectiva 2012 - Ernani de Souza


Olá boa tarde, segue uma pequena descrição de como foi minha temporada esportiva 2012.
Em um ano repleto de boas recordações posso dizer que termino esta temporada satisfeito com o que consegui conquistar nesses mais de 360 dias e 39 provas.
Foram 12 vitórias hora no geral hora na categoria de idade ao todo subi no pódio 31 vezes aproveitamento muito bom por sinal.
Como foram muitas provas, vou dividir as modalidades e falar um pouco sobre os principais resultados.

Duathlon, continua.... clique aqui

Informativo FECIERJ








Governo mexicano realiza campanha de troca de armas por bicicletas


Publicação: 28/12/2012 13:18 Atualização: 28/12/2012 13:33

Mexico - As autoridades da Cidade do México organizam desde segunda-feira a campanha "Por sua família, desarmamento voluntário" de trocas de armas por bicicletas para tornar mais seguro o perigoso bairro de Iztapalapa.

Para promover este programa, a secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal e o governo local investiram 300.000 pesos (23.000 dólares), segundo uma fonte municipal que não quis ser identificada.

Iniciativa se estenderá a outras localidades além de Iztapalapa, que é o segundo município com maior índice de criminalidade da capital mexicana.

Mesmo com as mais de 200 armas que até o momento foram recolhidas, nem todos acreditam que o programa conseguirá desarmar os verdadeiros criminosos.

Leia mais notícias em Mundo

Entre os céticos, também está o comando militar cuja tropa é encarregada de recolher, catalogar e destruir as armas recolhidas.

"Veja o estado das armas. A maioria está velha, pertencem a famílias que as herdaram de seus avós", afirma o comandante, que também não quis ser identificado.

Segundo cifras do governo do ex-presidente Felipe Calderón (2006-2012), um total de 107.973 armas e 10,9 milhões de cartuchos foram apreendidos de dezembro de 2006 a fevereiro de 2012, e 90% dessas armas provinha dos Estados Unidos.

No México, é ilegal portar armas, ao contrários dos Estados Unidos, onde este tema voltou a ser discutido com a matança de 20 crianças e 6 adultos em uma escola primária em meados de dezembro.

BH faz 115 anos e enfrenta desafio da mobilidade urbana


Publicação: 12/12/2012 07:07 Atualização: 12/12/2012 07:51

Desafogar o trânsito caótico na Praça Sete, no coração de BH, é um dos desafios da prefeitura


São 2,3 milhões de habitantes. A Avenida do Contorno é agora uma das muitas vias sufocadas pelo trânsito intenso. A estrutura urbana ultrapassou, e muito, o limite do projeto de Aarão Reis e a cidade se confunde com seus arredores. Como na inauguração há 115 anos, Belo Horizonte está em constante construção. As vias feitas para melhorar o acesso dos trabalhadores passam por obras que parecem intermináveis, para abraçar 1,3 milhão de veículos que por elas circulam.

A comemoração do aniversário chega com o desafio: como conter a multiplicação dos carros nas ruas. E o prefeito Marcio Lacerda, que se prepara para novo mandato, concorda: “A mobilidade é um problema não só das grandes cidades, mas das médias e pequenas. Dobramos o número de veículos em Belo Horizonte em 10 anos, aproximadamente de 700 mil para 1,5 milhão, com um pequeno acréscimo na estrutura viária de transporte de massa”.

A aposta por enquanto está no BRT (bus rapid transit). A Avenida Antônio Carlos, construída lá nos anos 1940 para levar a classe mais opulenta da cidade ao complexo de recreação criado na Pampulha por JK e desenhado por Oscar Niemeyer, é reformada para a passagem do novo transporte de massa. O BRT rodará também na Pedro I, Pedro II e Região Central, vias com projetos em andamento.

A prefeitura prevê a passagem do novo veículo também pela Avenida Amazonas e inicia, em 2013, o projeto de implantação. Mas o modelo recebe crítica antes mesmo de chegar. “Cidades do mundo que pensam no futuro investem em bicicletas e carros elétricos. O BRT já é ultrapassado”, diz a professora e historiadora da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Regina Helena Alves da Silva. Ela avalia que a capital nasceu com uma promessa de futuro, apostando no desenvolvimento, e isso ficou perdido em sua história.

De acordo com Lacerda, cerca de 50% da população usa o transporte de massa e a meta é passar para 70% em 2030. O que, nos cálculos da prefeitura, significa 1,5 milhão de passageiros por dia viajando de ônibus, metrô e BRT. O 115º aniversário da cidade deve ser marcado também pela abertura de mais corredores de tráfego. Desta vez, como no passado, não para simplesmente permitir o acesso mais fácil de pessoas a outras regiões, mas para desafogar as principais avenidas. Assim, serão concebidas as vias 710 e 210. A primeira cortará as regiões Leste e Nordeste, passando pelas avenidas dos Andradas e Cristiano Machado. A segunda ligará as avenidas Tereza Cristina, na Região Oeste, e a Via do Minério, no Barreiro.

E mais...

Outras intervenções ainda estão por vir. Junto com o governo do estado, o plano é investir R$ 3 bilhões no metrô e no transporte público da região metropolitana, como construção de terminais em sete municípios e um corredor de ônibus no Complexo da Lagoinha. O novo ano chegará com a esperança de que velhas promessas sejam concretizadas. Uma delas é a construção da nova rodoviária na tentativa de desafogar o Centro. Outra é a melhoria do Anel Rodoviário. Para o Vetor Sul, estudos estão sendo feitos para a implantação de um sistema de transporte de massa, mas a prioridade, segundo Lacerda, é que o metrô chegue à Savassi e ainda ao Belvedere.

E para onde a metrópole vai crescer? No Vetor Sul, o Belvedere já se encontra com Nova Lima e os condomínios da cidade da Grande BH atraem cada vez mais moradores, que decidiram fugir do barulho e do trânsito caótico da capital. Do outro lado, no Vetor Norte, a Região do Isidoro ainda não saiu do papel. Um projeto de urbanização, que mantém 45% do terreno permeável, foi feito na tentativa de impedir que a área verde de 10 quilômetros quadrados, maior que o perímetro da Contorno (8,9 quilômetros quadrados), continue sendo ocupada por moradias irregulares. O Isidoro é uma das últimas áreas não parceladas da capital e faz divisa com o município de Santa Luzia.

A data do aniversário, bem no fim do ano, serve ainda para renovar expectativas. E talvez a principal seja a tão esperada projeção no cenário internacional a ser conquistada com as competições internacionais de futebol. Em 2013, chega a primeira, a Copa das Confederações, e o Mineirão, estádio inaugurado em 1965, está quase pronto para abrigá-la. No ano seguinte, a Copa do Mundo, evento que vem fazendo, há alguns anos, a cidade mudar a cara. E que venham os visitantes. Belo Horizonte têm 115 anos de história para contar.

“A Bicicleta e as Cidades: como inserir a bicicleta na política de mobilidade urbana”


organizado pelo Instituto de Energia e Meio Ambiente e pelo TC  Urbes, em 2009.

Um incrível flagrante de teletransporte na Rússia


POR  EM HUMORVIDEOS

As mulheres e a bicicleta



Em 1878 surgiam as primeiras bicicletas nos Estados Unidos,  não demorou muito para a novidade conquistar as mulheres.
Nos tempos modernos, temos roupas apropriadas para praticar o ciclismo, o que facilita bastante na hora de pilotar porém, antigamente algumas dificuldades surgiram para as primeiras mulheres tentaram andar de bicicleta.
Pense como seria complicado pedalar usando um volumoso e pesado vestido, espartilho,  e outros adereços da época.
Mesmo assim, o traje não intimidou as mulheres a arriscarem umas pedaladas no novo veículo, no entanto,  não demorou muito para os ditos especialistas e médicos, se atreverem a dizer que andar de bicicleta não era uma boa idéia para as pessoas do sexo feminino. Segundo eles,  um dispositivo mecânico não seria saudável para a mulher, delicada e frágil, utilizando o seu tipo de vestimenta.
Na história da desigualdade feminina em que, quase tudo era coisa pra “macho”, a bicicleta também foi uma conquista, pois a invenção seria um instrumento que lhe daria autonomia e independência.
Com a ajuda da bicicleta, a mulher poderia se locomover, sem a dependência dos homens.
A bicicleta significava liberdade uma transição do espartilho para os calções.
Em 1894, as mulheres já estavam com uma moda adaptada para também desfrutar desse veículo de duas rodas. A indústria da moda não perdeu tempo e, interessados em faturar com o novo público, lançou em várias revistas, roupas adequadas para andar de bicicleta e preservar a saúde e beleza das ladies. Desde então, os trajes de ciclistas vem se adaptando conforme as necessidades dos tempos modernos.
Andar de bicicleta também faz parte das lutas e vitórias, em que as mulheres tiveram que conquistar.
Parabéns para nós mulheres !
Artigo  por Kristine Domenici (Krika)
Referências:
- The Ladies Standard Magazine, April 1894, p. 98.
History of the Bicycle ( Wikipedia)
- Women History /Women Bicycle Fashion




sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Você foi convidado a visualizar o álbum de fotografias de Israel Tomaz: Circuito Serra dos Alves-Cabeça de Boi-Serra dos Alves 01-12-2012


Circuito Serra dos Alves-Cabeça de Boi-Serra dos Alves 01-12-2012
Serra dos Alves/MG -
01/12/2012
de Israel Tomaz
Estradinhas, subidas alucinantes, trilhas, paisagens sensacionais, várias cachús e muita disposição para pedalar por mais de 12:00 horas.
Visualizar álbum
Reproduzir apresentação de slides

Mensagem de Israel Tomaz:
Estradinhas, subidas alucinantes, trilhas, paisagens sensacionais, várias cachús e muita disposição para pedalar por mais de 12:00 horas

Se tiver problemas para visualizar este e-mail, copie e cole o link abaixo em seu navegador:

Oposição apresenta chapa para eleição da Confederação de Ciclismo

As próximas eleições da Confederação Brasileira de Ciclismo (CBC), no dia 19 de janeiro, terão, ao menos, um grupo de oposição. Liderada por Edmilson Vieira das Virgens, presidente da Federação Tocantinense de Ciclismo, a chapa foi apresentada prometendo apoiar a descentralização do comando da entidade.
A CBC é presidida por José Luiz Vasconcellos, que assumiu o cargo em 2005 e foi reeleito em 2009. O estatuto da entidade não impõe limite de mandatos, de forma que o dirigente pode se candidatar para seguir em seu cargo.
"Um dos principais objetivos do nosso grupo é descentralizar o poder por meio de um Conselho de Administração formado por presidentes de federações estaduais, empresários, atletas e clubes", explica Edmilson Vieira. "Queremos restaurar a importância da figura do presidente da federação, dando a ele espaço na nossa gestão para que opine, em reuniões bimestrais do Conselho de Administração", acrescentou o candidato de oposição.  
Outra proposta da chapa liderada pelo representante de Tocantis é a mudança da sede da CBC, atualmente em Londrina, no Paraná, para facilitar a relação com os representantes de Estados mais distantes da região Sul. No Conselho de Administração, Vieira quer um representante do Norte, um do Nordeste, um do Centro-Oeste e outro para Sul e Sudeste.
"Vamos mudar a atual forma de administrar a entidade, trazendo a sede para uma cidade mais central e equidistantes das demais regiões", analisou. 
As eleições da Confederação Brasileira de Ciclismo estão marcadas para 19 de janeiro, em Curitiba. Na ocasião, serão escolhidos o presidente, vice-presidente e membros do conselho fiscal da entidade.

http://esportes.terra.com.br/oposicao-apresenta-chapa-para-eleicao-da-confederacao-de-ciclismo,94128cebbfdcb310VgnCLD2000000ec6eb0aRCRD.html

Ciclista morre após ser atingido por linha com cerol na Zona Sul de SP

27/12/2012 06h59 - Atualizado em 27/12/2012 07h48

Homem voltava para casa de bicicleta quando teve pescoço cortado.
Testemunhas afirmam que houve demora no socorro à vítima.Do G1 São Paulo

Um homem de 45 anos morreu, na noite de quarta-feira (26), depois de ser atingido por uma linha de pipa com cerol, na rua Delfino Facchina, em Americanópolis, na Zona Sul da capital. Antônio Ednaldo Macedo Gomes voltava para casa de bicicleta, por volta das 19h, como fazia todos os dias, quando teve o pescoço cortado pela linha.
De acordo com testemunhas, a vítima caiu no chão e bateu a cabeça. Vizinhos também relatam que houve demora na chegada do atendimento médico. Antonio chegou a ser socorrido por moradores antes da chegada do resgate, mas não resistiu. Ele faria 46 anos na semana que vem e trabalhava havia 27 em uma empresa de tapeçaria, perto do Aeroporto de Congonhas, também na Zona Sul.
A Secretaria Municipal de Saúde afirmou que os moradores chamaram primeiro os bombeiros, e depois, o Samu, Serviço de Atendimento Móvel de Urgência. Os funcionários dos dois órgãos decidiram - por uma questão técnica e operacional - que o atendimento seria prestado pelos bombeiros. Com isso, o Samu foi dispensado e nem seguiu para o local. O Corpo de Bombeiros informou que prestou atendimento à vítima.
Para ler mais notícias do G1 São Paulo, clique em g1.globo.com/sp. Siga também o G1 São Paulo no Twitter e por RSS.

Bicicleta “contrapedal”



Bacanas Seres Motrizes que integram a arte, na beleza das bikes, com a simplicidade do ato motor. Cultura que está retornando num movimento bem consistente. É a bike fixa (também conhecida comocontra-pedalmarcha única e sem marchas) ao qual a minha geração conhece bem – a famosa bicicleta “contra-pedal” – que hoje se encontra retornando às ruas dos grandes centros como Rio, Londres, Nova Iorque e breve, tomara, aqui pela cidade.
Quando se tem prazer com o exercício físico facilita-se na fidelização do movimento. Para estes grupos adeptos da bike fixa – apesar de muitos outros prazeres que estão inseridos neste ambiente social que são proporcionado via os encontros marcados, assuntos em comum e a cultura da bike como uma (bela) arte – o movimento está na veia destes caras, lhes trazendo muitos bônus relacionado a saúde e mais cores aos seus dias. Estou agora em busca de uma.
Bons treinos e sempre com boas emoções!
Para ler sobre, aqui no Jornal O Globo, ou mais completo ainda aqui no Wikipédia.

A arte de restaurar bicicletas antigas


Ronaldo Rinaldi restaura bicicletas há cinco anos e não pensa em parar tão cedo com a aptidão.
O aposentado, Ronaldo Cezar Rinaldi de 58 anos faz um trabalho de arte diferente e pouco encontrado com restauração de bicicletas antigas e raras do mercado de antiguidades.
O trabalho minucioso e manual é feito há cinco anos e é procurado por colecionadores apaixonados por peças de antiquário para que após a restauração a bicicleta fique com a aparência original de anos atrás.
Rinaldi explica que o trabalho de restauração começou com a paixão de colecionar e personalizar miniaturas de carros. Com a coleção Rinaldi participou de várias feiras e exposições de auto plástico modelismo, conhecidos também como ‘Open’.
Os cuidados e a paciência para montar e modificar os carrinhos fez com que Ronaldo aceitasse o primeiro desafio de restauração, após um médico da cidade levar duas bicicletas , da marca Philips.
Em São Carlos, Rinaldi diz achar que é o único profissional que trabalha com restauração de bicicletas antigas e afirma que é um trabalho difícil e que requer muito tempo e paciência. “É preciso ter prazer neste oficio”, afirma.
O restaurador explica que todo o processo de recuperação das peças é feito por etapas e também pelo trabalho por outros profissionais. Sendo que o custo médio para cada restauração fica entre R$ 3 a R$ 4 mil.
No primeiro passo é preciso desmontar as partes da bicicleta, depois as peças vão para o processo conhecido como jatear, um trabalho que tira todas as ferrugens e corrosões do material antigo. Depois disso as peças passam pela funilaria para reparos de imperfeições, e quando voltam, entram no processo da pintura, com tintas apropriadas e modernas. O prazo para toda a restauração ocorre em média, de três a quatro meses.
Para deixar a bicicleta com a aparência mais original possível, Rinaldi faz uma ampla pesquisa na internet para buscar o máximo de informações sobre do modelo da época, como cores, decalques e outros detalhes em peças. Em seguida passa a encomendar os itens também pela internet. A partir daí, a criatividade entra em ação e o restaurador dá o seu toque especial para a nova bicicleta.
Depois de restaurada e finalizada a bicicleta está novamente útil para o uso ou exposição do colecionador, e com certeza com o valor muito maior para o mercado de antiguidades.
“É um prazer muito grande ver trabalho completo, pois o resultado é muito gratificante. Com o trabalho também ganha experiência e aprendizado”, comenta o restaurador
Com a restauração, Rinaldi passou a realizar concertos de outras bicicletas velhas e que precisam de uma manutenção ou um toque de modernidade.
Rinaldi não pensa em parar tão cedo com a aptidão que o tornou um profissional na restauração de bicicletas, e para um futuro próximo deseja melhorar e ampliar sua oficina para ter mais comodidade para trabalhar.
http://www.jornalpp.com.br/cidades/item/24956-a-arte-de-restaurar-bicicletas-antigas

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Veja como o esporte pode mudar vidas

Veja o vídeo com a entrevista de nosso amigo Edgard
http://globoesporte.globo.com/mg/videos/t/edicoes/v/veja-como-o-esporte-pode-mudar-vidas/2311769/

Chef de cozinha troca panelas pela bicicleta

Veja vídeo: http://g1.globo.com/videos/parana/t/todos-os-videos/v/chef-de-cozinha-troca-panelas-pela-bicicleta/2312653/

Lance Armstrong só tem mais um dia para recorrer ao TAD

Manuel Resendes c/Lusa, a 26-12-2012 18:58:32


O prazo de que o norte-americano Lance Armstrong dispõe para recorrer ao Tribunal Arbitral do Desporto (TAD) da decisão da União Ciclista Internacional (UCI) de desclassificá-lo de todos os resultados desportivos desde 1998 termina na quinta-feira.
    Imagem
Há dois meses, a UCI retirou o recorde de sete vitórias na Volta a França (1999-2005) a Armstrong e irradiou-o, devido à sua implicação no esquema de dopagem «mais sofisticado» da história do desporto, posto em evidência por uma investigação da Agência Antidopagem dos Estados Unidos (USADA).

O texano, de 41 anos, foi formalmente notificado da sanção a 06 de dezembro, momento a partir do qual dispunha de 21 dias para apelar ao TAD.

O recurso parece uma opção pouco provável, uma vez que, a 23 de agosto, o norte-americano recusou responder ao processo da USADA.

«Hoje, viro a página. Não me preocuparei mais com esta questão, quaisquer que sejam as consequências», disse nesse dia, não voltando a pronunciar-se sobre o tema.
http://www.futebol365.pt/noticias/artigo.asp?id=75436&cat=Modalidades#.UNuUBORX35E

Arte em uma bicicleta

Grande
Bicicleta projetada pelo artista Jack Armstrong
Veja detalhes:
 http://www.actionha.net/articles

UCI aprova premiação igual para Homens e Mulheres no Mundial em 2013


A UCI divulga uma ótima notícia para as mulheres do MTB. Mais uma conquista das mulheres na luta pela igualdade. A premiação do Mundial em 2013 em Pietermaritzburg será igual para homens e mulheres. Não houve indicação de que isso irá se estender para as etapas da Copa do Mundo.

A nota oficial do Comitê de Gestão da UCI aprovou uma proposta de prêmio em dinheiro igual para homens e mulheres no Campeonato Mundial UCI.

Entrando em vigor a partir de Janeiro de 2013, esta decisão se aplica a todas as disciplinas do ciclismo, com exceção da equipe de ciclismo, cujo prêmio é financiado por um fundo de reserva da UCI World Tour e um fundo solidário.

O presidente da UCI Pat McQuaid, saudou a decisão dizendo que "nenhuma dinstição deve ser feita entre os feitos de homens e mulheres. A decisão da Comissão de Gestão é um passo simples, mas, muito importante para o futuro saudável e justo do nosso esporte!"

O primeiro Mundial em 2013 será de Ciclo-Cross em Louisville (EUA), 02 e 03 de Fevereiro.

Postado por GOMÃO BIKES às 06:36

Ciclista pedala 3 mil km no Piauí em busca de harmonia com natureza


Aventureiro, Wagner Marques Sousa, aos 33 anos de idade, vai percorrer as divisas do estado. Nos próximos três meses, sua casa será as trilhas

25/12/2012 10h52 - Atualizado em 25/12/2012 12h47

Ciclista Wagner Marques Sousa (Foto: Fco Gilásio)Wagner Sousa quer reunir a prática do ciclismo com
o turismo  (Foto: Fco Gilásio)
O Natal do ciclista Wagner Marques Sousa será marcado por uma aventura digna de cinema e daquelas que podem ser reconhecidas como loucura. A partir desta terça-feira (25) ele parte sozinho em projeto pessoal: pedalar 3 mil km de norte a sul, leste a oeste do Piauí. Todo o percurso será assim: o ciclista e a bicicleta, velhos companheiros.
Passando pelas divisas do estado com Maranhão, Tocantins, Ceará e Pernambuco, o aventureiro espera concluir essa maratona em três meses. Aos 33 anos de idade, as pedaladas de Wagner também têm um significado especial: reunir o ciclismo com o turismo.
E por que sair no Natal? Para Wagner, a data tem um valor simbólico. Os dias sozinhos vão ser um teste de convivência com a natureza e longe da correria do dia a dia e, claro, do estresse. Em média, serão 50 km pedalados por dia. É o esporte aliado com uma modalidade de vida.
- Vou conhecer o Piauí todo através de uma modalidade que reúne uma prática esportiva com o turismo, formando o cicloturismo. A ideia de sair no dia 25 de dezembro mostra o sentido do Natal, um período de reflexão. Vou conviver em plena harmonia com a natureza e com a vida. Vai ser um grande aprendizado e amadurecimento – explica Wagner Marques.
Ao longo dos 3 mil km, Wagner pretende coletar informações sobre a situação ambiental das várias regiões do Piauí e realizar um diário de bordo. As informações da trilha serão publicadas em um blog para servir de fonte a outros ciclistas.
- Pela primeira vez um ciclista vai fazer o contorno do mapa do Piauí. Além da bicicleta, levo apenas uma mochila com uma barraca, colchonete, água e alimentos. É o que eu preciso. Minha casa nos próximos dias será essa – revela o ciclista, que rapidamente completa: o trajeto será feito sem nenhum medo.
l

Combatendo o diabetes tipo 1 no pedal


18/12/2012

Britânica colocará à prova sua habilidade de controle da glicemia em desafio ciclístico de 430km, na Índia, em prol de ONG para diabéticos.
Isabelle Masters diabetes Combatendo o diabetes tipo 1 no pedal
Isabelle Masters, 24 anos, há 10 com diabetes tipo 1.
Manter as taxas de açúcar do sangue em níveis sempre adequados é um grande desafio, como bem sabe todo diabético. Imagine, então, controlar a glicemia ao mesmo tempo em que participa de uma exaustiva maratona de ciclismo, durante a qual as taxas glicêmicas podem variar enormemente, atingindo picos altos após a ingestão de barrinhas açucaradas e baixos depois de vários minutos de exercício físico intenso. É este desafio que a britânica Isabelle Masters, de 24 anos, vai encarar este mês. Ela será a única diabética a participar da maratona ciclística “Rajasthan Tiger Bike Ride“, que ocorrerá na Índia.
A inglesa já embarcou para o continente asiático e iniciará em breve o percurso de 430km da prova. Em termos “nacionais”, esta distância é aproximadamente equivalente a uma viagem de Belo Horizonte – MG a São Paulo – SP. Enfrentará pelo caminho o desafio de pedalar por cidades abandonadas, desertos, montanhas, fortes, vilarejos rurais e grandes metrópoles, agüentando temperaturas superiores a 30 graus pelo caminho (o que é muito pelos padrões britânicos!).
A meta é completar o percurso em apenas seis dias. Isto significa que os participantes terão de pedalar pelo menos oito horas todos os dias. Como Isabelle está encarando este desafio?

Jovens vão pedalar 1056 km para ajudar animais abandonados


Três amigos vão fazer uma viagem de bicicleta até Santiago de Compostela. Por cada quilômetro percorrido doam um euro a associações de ajuda a animais

Texto de Inês Almeida • 23/12/2012 - 18:56ore Sharing Services



São 1056 quilômetros, de Leiria até Santiago de Compostela, a pedalar pelos direitos dos animais. O projecto “Biking For a Paw” consegue dois euros por cada quilômetro percorrido - e metade reverte para a Associação Zoófila de Leiria e para a Their Voice Portugal.

Os três aventureiros - Pedro Santos, Sérgio Catarino e Rui Felício - começaram a delinear o projecto depois de conhecerem o caso de uma égua maltratada e abandonada à morte em Leiria. Decidiram que tinham de fazer alguma coisa que contribuísse para a mudança de mentalidade e atitudes no que aos direitos dos animais diz respeito.

Por isso, durante a jornada vão distribuir informação: “Todos os dias temos conhecimento de casos de abandono e de maus tratos sobre animais e isso é algo que nos deixa extremamente inconformados. Sentimos a necessidade de dar um pouco mais de nós e fazer algo que possa ajudar a sensibilizar as pessoas para o que realmente se passa”, explicou Pedro Santos ao P3.

A viagem, que se vai realizar entre os dias 23 e 30 de Março, tem início em Leiria e passa pelo Porto, Vigo e Léon antes de chegar a Santiago de Compostela. 

“Há cerca de três anos eu e o Sérgio fizemos parte do caminho francês para Santiago de Compostela de bicicleta e percebemos que é um caminho mágico e onde se cruzam pessoas dos mais variados credos e com as mais distintas convicções. Sendo nós amantes de bicicletas e dos animais não foi difícil percebermos que fazia todo o sentido voltarmos a fazer esse percurso, mas desta vez com uma causa às costas”, disse Pedro Santos.

“Biking For a Paw” quer actuar em quatro campos: a monotorização de Leiria, por parte dos cidadãos interessados, a moderação/coordenação entre as associações de protecção dos animais e aCâmara Municipal, a promoção de debates e acções para sensibilizar os indivíduos e, finalmente, a angariação de rações e outros itens que possam ajudar as associações.

Os três jovens estão também a organizar um evento, em parceria com a Câmara Municipal de Leiria, no dia 2 de Fevereiro de 2013, para explicar a missão do “Biking For a Paw” e ainda divulgar as instituições que vão ser ajudadas, a Associação Zoófila de Leiria e a Their Voice Portugal.

Neste evento haverá também angariação de fundos para a viagem, palestras e um concerto: “Queremos partilhar as nossas preocupações e soluções sobre a problemática dos direitos dos animais, tentando com isso sensibilizar e contribuir para a mudança de algumas mentalidades. Teremos presentes as associações em causa de forma a que o público possa conhecer o trabalho que estão a desenvolver”, revela Pedro Santos.

“Muito pouco se conquistou ao longo dos últimos anos e agora até existe a desculpa da tal crise para abandonar os animais”, lamenta. “Tenho esperança que, seja com este tipo de iniciativas seja com o trabalho realizado diariamente pelos milhares de voluntários distribuídos pelo país, possamos evoluir e consigamos passar a ser uma sociedade mais justa para com os animais e para com nós mesmos.”

Andando de bicicleta


Quem nunca fez manobras radicais em sua bike e pensou que estava mandando bem ...

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Informativo Bici Shop


Informativo Picc Pedal: A melhor mensagem de Natal e ano novo: Ação solidária.


Meus amigos,  

Não tenho dúvidas de esta é a melhor mensagem de Natal e Ano Novo que poderíamos oferecer.
Muitos contribuíram para esse trabalho acontecesse, aos quais agradecemos de maneira muito especial nas pessoas da Paty e Joaquim, Sol e Zé Luiz, Leandro Luppi, Márcio Lara e Cristiane, Cida e Lígia, Raquel e Astrogildo, Paulina  e ao meu parceiro Márcio Monteiro (Líder Condomínios).
Precisamos destacar a boa liderança da Paty, que coordenou os trabalhos juntamente com a Cida.
Veja este álbum com o coração, pois ele o convidará  para a próxima ação solidária que ocorrerá e breve. 

Você foi convidado a visualizar o álbum de fotografias de Israel Tomaz: Ação Solidária Picc Pedal (22-12-2012)
Ação Solidária Picc Pedal (22-12-2012)
Campos de Santo Antônio, Abobreiras e Engenho -
22/12/2012
de Israel Tomaz
Levar alimentos, brinquedos e afeto às famílias que vivem quase esquecidas nos pequenos povoados por onde pedalamos, foi a missão de alguns bikers e equipe de apoio do Picc Pedal no último sábado. A turma abriu mão de pedalar, alcançando um maior número de povoados. Foram arrecadados e distribuídos 104 Kits de brinquedos para crianças, montados conforme o sexo e idade, 36 cestas de alimentos básicos e 35 pacotes de biscoitos. Uma creche e um Asilo de Belo Horizonte também receberam donat...
Mensagem de Israel Tomaz:
Meus Amigos,
Vai aqui a melhor mensagem de Natal e de ano novo que podemos oferecer.
Sinta-a com calma, pense e agradeça a Deus todos os dias pela saúde que Ele nos tem dado para trabalhar e conquistarmos conforto e bens.
Compartilhar um pouco, sem culpar o pobre por seu próprio estado de miséria, é ampliar as dádivas dessa conquista.
Um grande abraço.
Israel

A bicicleta não afeta a natureza

Trilha de bicicleta chama a atenção por paisagens fantásticas em Erechim, RS

http://globoesporte.globo.com/rs/videos/t/rbs-esporte/v/trilha-de-bicicleta-chama-a-atencao-por-paisagens-fantasticas-em-erechim-rs/2308716/

CAFEÍNA


A cafeína é um composto químico de fórmula C8H10N4O2 — classificado como alcalóide do grupo das xantinas e designado quimicamente como 1,3,7-trimetilxantina. É encontrado em certas plantas e usado para o consumo em bebidas, na forma de infusão, como estimulante.
A cafeína apresenta-se sob a forma de um pó branco ou pequenas agulhas, que derretem a 238°C e sublimam a 178°C, em condições normais de temperatura e pressão. É extremamente solúvel em água quente, não tem cheiro e apresenta sabor amargo.
Entre o grupo das xantinas (que incluem a teofilina e a teobromina) a cafeína é a que mais atua sobre o sistema nervoso central. Atua ainda sobre o metabolismo basal e aumenta a produção de suco gástrico.
Doses terapêuticas de cafeína estimulam o coração aumentando a sua capacidade de trabalho, produzindo também dilatação dos vasos periféricos.
Cafeína
A cafeína, ou 1,3,7-trimetilxantina, pertence ao grupo das metilxantinas, substâncias estimulantes do sistema nervoso central. As principais metilxantinas são a cafeína, a teobromina e a teofilina, que atravessam as barreiras hematoencefálica (sistema nervoso central) e placentária. A cafeína está presente em bebidas como chá (principalmente chá-preto e chá-mate), café, refrigerantes à base de cola, ervas e alimentos como cacau e chocolate, é considerada uma substância extremamente estimulante, sendo aquela de maior consumo em todo o mundo.
A cafeína produz estados de excitação e alerta, aumentando a performance mental e motora, a estimulação cardíaca e a pressão arterial, promovendo redução do sono e da fadiga (cansaço). No entanto, esta substância pode causar dependência física e psicológica, onde o consumo excessivo (tóxico) de cafeína produz um conjunto de sintomas conhecidos pelo nome de cafeinismo, caracterizado por ansiedade, irritabilidade, insônia, cólicas abdominais, arritmia (alteração no ritmo dos batimentos cardíacos em relação à freqüência ou intensidade), convulsões, depressão e aumento nos níveis de vários hormônios relacionados ao estresse (cortisol, por exemplo). O consumo crônico de cafeína leva à adaptação celular com tolerância aos efeitos da substância e, a retirada brusca da cafeína, pode provocar letargia, irritabilidade e cefaléias (dores de cabeça) em um indivíduo que consuma mais de 6 xícaras de café por dia. A indicação terapêutica da cafeína tem sido como estimulante de padrões respiratórios deprimidos ou cefaléias (dores de cabeça).
Uma xícara média de café contém, em média, cem miligramas de cafeína. Já numa xícara de chá ou um copo de alguns refrigerantes encontram-se quarenta miligramas da substância. Sua rápida ação estimulante faz dela poderoso antídoto à depressão respiratória em conseqüência de intoxicação por drogas como morfina e barbitúricos. A ingestão excessiva pode provocar, em algumas pessoas, efeitos negativos como irritabilidade, ansiedade, agitação, dor de cabeça e insônia. Os portadores de arritmia cardíaca devem evitar até mesmo dosagens moderadas, ainda que eventuais, da substância. Altas doses de cafeína excitam demasiadamente o sistema nervoso central, inclusive os reflexos medulares, podendo ser letal. Estudos demonstraram que a dose letal para o homem é, em média, de 10 gramas.
As principais plantas que contêm o princípio ativo cafeína são:
Chá Mate: folhas e talos da Ilex paraguariensis.
Café: sementes da Coffea arabica.
Cacau: frutos da Theobroma cacao.
Guaraná: frutos da Paullinia cupana.
Cola: Cola acuminata.
A cafeína na Alimentação
A cafeína pertence ao grupo de compostos químicos chamados metil-xantinas, presentes em uma grande quantidade de alimentos (cerca de 60 espécies de plantas no mundo contêm esses compostos) como café, guaraná, cola, cacau ou chocolate, chás e também nos remédios do tipo analgésico, medicamentos contra a gripe e inibidores de apetite. As xantinas são substâncias capazes de estimular o sistema nervoso, produzindo um estado de alerta de curta duração. É também a cafeína que confere as propriedades características ao café.
A absorção da cafeína no organismo é muito rápida, assim como a sua distribuição, passando rapidamente para o sistema nervoso central. Existe a chamada “sensibilidade à cafeína”, a qual se refere à quantidade necessária dessa substância para produzir os efeitos secundários negativos, tais como perda de sono e aumento da freqüência cardíaca.
A cafeína não representa nenhum valor nutricional para o organismo humano, se restringindo apenas ao seu efeito “excitante”. Todo a ação da cafeína no corpo depende da forma de preparo do produto, da quantidade utilizada e das condições do organismo que a consome, podendo o efeito variar de indivíduo para indivíduo.

Nova medição na Lagoa da Pampulha revela nível assombroso de sujeira


Com o cartão postal cada vez mais poluído, planos para 2014 estão em xeque

por Paola Carvalho | 23 de Dezembro de 2012
Jair Amaral/EM/D.A Press

Tubos despejam esgoto nas águas: solução distante

A paisagem continua bela, mas nunca esteve tão imunda e malcheirosa. Dejetos produzidos por 125 000 pessoas — um quarto da população residente na Bacia da Pampulha — ainda são jogados no principal cartão-postal de Belo Horizonte. A sujeira tomou conta dos quase 3 quilômetros quadrados de espelho-d’água. Pela primeira vez, segundo o Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam), todas as medições feitas em 23 estações dos mananciais apresentaram níveis de coliformes fecais acima do tolerado pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama). O laudo divulgado no último dia 13 é a comprovação lamentável do que o forte odor já denunciava: que os 295 milhões de reais aplicados no Programa de Revitalização da Pampulha (Propam) desde 2000 não conseguiram resolver o problema. Apesar de o quadro só se agravar, a prefeitura e o governo estadual garantem que as águas da lagoa estarão limpas até junho de 2014, antes da Copa do Mundo. O plano de despoluição prevê a ampliação de 75% para 95% da captação e do tratamento de esgoto na bacia, a retirada de quase 1 milhão de metros cúbicos de sedimentos acumulados no entorno da Ilha dos Amores e nos canais de entrada dos córregos Sarandi, Ressaca e Água Funda e a recuperação da qualidade da água pelos processos de ozonização e biorremediação. Os recursos financeiros para tudo isso, porém, ainda não estão garantidos. Prefeitura e estado ainda negociam com a União, por meio do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2), um financiamento de 102 milhões de reais. 

Especialistas ouvidos por VEJA BH põem essa promessa em xeque e dizem que vai demorar muito mais tempo para que os belo-horizontinos possam, enfim, ver a Pampulha despoluída. “O Lago Paranoá, em Brasília, tinha uma situação muito parecida com a da Pampulha, e o resultado das ações, como a retirada de esgotos, só começou a ser notado após cinco anos”, afirma Rafael Resck, mestre em ecologia aquática e consultor de recursos hídricos. Segundo ele, é preciso interceptar e tratar 100% do esgoto doméstico e industrial que hoje é jogado na lagoa. Só depois fará sentido limpar de vez o espelho-d’água. “Se não há saneamento básico, não tem como despoluir a lagoa”, diz o biólogo e professor da UFMG Ricardo Pinto Coelho. “Enquanto a questão do esgoto não for resolvida, a Pampulha continuará à própria sorte.”

Com a chegada do verão e das altas temperaturas, a situação tende a ficar ainda mais grave. “O calor potencializa todos os processos de decomposição de matéria orgânica na lagoa, piorando seu aspecto e principalmente o mau cheiro”, explica Resck. O biólogo Coelho ressalta ainda que o tempo quente estimula o crescimento das algas, sobretudo das cianobactérias. “A fauna que vive ali está sob um risco muito grave. Os peixes e os outros animais permanecem em constante ameaça.” Por ora, as medidas realizadas têm sido apenas paliativas. No início do mês, o governo estadual instalou uma sonda, próxima ao cais do Iate Tênis Clube, para monitorar a qualidade da água em tempo real. Executado pela Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais (Cetec) em parceria com o Igam, o projeto custou 480 000 reais. O equipamento flutuante, suspenso por boias, recolhe água e coleta dados como salinidade, pH e nível de oxigênio dissolvido. Também monitora os parâmetros meteorológicos de pressão atmosférica, radiação global, temperatura, umidade e precipitação. Usando um sinal de localização via satélite, o equipamento envia as informações coletadas ao sistema do Igam a cada trinta minutos. Toda vez que um indicador sai do controle, o instituto tem condições de pôr em prática medidas emergenciais, como a retirada das algas.

A Lagoa da Pampulha foi sempre um desafio para os governantes. Criada nos anos 30 pelo prefeito Otacílio Negrão de Lima, ela represou as águas do Ribeirão Pampulha em uma área ainda considerada rural. O objetivo era controlar enchentes e contribuir para o abastecimento da capital. Na década de 40, o prefeito Juscelino Kubitschek resolveu transformá-la em uma área de lazer e turismo, para estimular a ocupação da região norte da metrópole, convidando o trio Oscar Niemeyer, Burle Marx e Cândido Portinari para conceber o belo conjunto que hoje é reconhecido até fora do país. Poucos anos mais tarde, em 1954, a represa se rompeu nas proximidades do Aeroporto da Pampulha e foi preciso contar com a ajuda financeira do governo federal para reconstruí-la. Na década de 60, a ocupação desordenada de Belo Horizonte e da vizinha Contagem começou a comprometer a lagoa. Quanto mais terra e esgoto seguiam para os afluentes, menor ficava a capacidade do reservatório de água e pior se tornava a qualidade dela. De lá para cá, o processo só se agravou. Os córregos que mais poluem hoje são o Sarandi, que vem de Contagem, e seus afluentes Cabral e Petrobras. No último sábado (15), dois dias depois de o Igam divulgar seu triste relatório, a prefeitura lançou a candidatura do Conjunto Ar­­quitetônico da Pampulha ao título de pa­­trimônio cultural da humanidade, que é concedido pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco). Vai ser preciso torcer para que a sujeira e o mau cheiro não acabem matando esse sonho.

http://vejabh.abril.com.br/edicoes/nova-medicao-lagoa-pampulha-revela-nivel-assombroso-sujeira-729492.shtml

Rei da terra BMX

Retrospectiva: equipe de ciclismo de Sorocaba coleciona vitórias, mas fecha as portas

http://globotv.globo.com/tv-tem-interior-sp/tem-esporte/v/retrospectiva-equipe-de-ciclismo-de-sorocaba-coleciona-vitorias-mas-fecha-as-portas/2308731/

Red Bull Soapbox Belgica 2012



Como fazer uma bicicleta com hélice

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Bicicleta de cartão de €8 vai ser comercializada em 2013

Bicicleta de cartão de €8 vai ser comercializada em 2013

Bicicleta de cartão de €8 vai ser comercializada em 2013

Lembra-se de Izhar Gafni e da sua bicicleta de cartão que custa apenas €8 (R$20) a desenvolver? Segundo o Yahoo News, o empreendedor israelita está a preparar a globalização do seu projecto, produzindo em massa a bicicleta e comercializando-a já em 2013.
Gafni passou os últimos meses em entrevistas e programas televisivos, explicando como conseguiu criar uma bicicleta feita a partir de caixas de cartão usadas – e outros materiais –, um veículo que pode transportar até 220 kg de peso e cujos materiais não valem mais do que os tais €8.
O inventor diz que não tem tido muito tempo para pensar em tornar a sua bicicleta num veículo interessante e desejado a nível global, as coisas têm acontecido quase por acaso. “Sei que, por um lado, as pessoas estão interessadas em ter a tecnologia mais rápida e recente, mas também acho que há uma necessidade por comprar coisas que são fáceis de utilizar”, explicou à Yahoo News.
Nestes dias, Gafni está a melhorar a bicicleta. Desenvolveu um sistema de travagem amigo do ambiente e um mecanismo de pedalar que utiliza vários materiais recicláveis. Tudo será revelado nos próximos meses, à medida que a empresa que criou – a I.G. Cardboard Technologies – entra no mercado.
O israelita já tem um parceiro de negócios – Nimrod Elmish – e uma ideia muito clara: vender as bicicletas, num futuro próximo, no mercado africano. Elmish representa a incubadora de tecnologia israelita ERB, e diz que vai utilizar vários tipos de financiamento para colocar a bicicleta de cartão no mercado, incluindo incentivos governamentais para utilização de materiais amigos do ambiente. O preço final deverá ser colocado nos €15 (R$ 41).
Para além dos países, africanos, os responsáveis pelo projecto acreditam que muitos consumidores europeus e norte-americanos irão sentir-se atraídos pela bicicleta, sobretudo pelo seu preço. “A bicicleta é tão barata que nem vale a pena ser roubada”, como explicou Gafni.