quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Inscrições abertas! Piracicaba 17/Outubro/2010







Candidatos que estão apoiando o nosso esporte em BH

Contador é pego no doping

Quando os olhares estavam todos voltados para o Mundial da Austrália, uma
notícia vinda da Espanha promete concentrar as atenções nos próximos dias:
Alberto Contador foi flagrado em um exame antidoping no segundo dia de
descanso do Tour de France 2010, em Pau, pouco antes da etapa da 16a etapa,
com final no Tourmalet, que decidiu a prova.

Nesta quinta-feira, o tricampeão do Tour dará uma entrevista coletiva em
Pinto, sua cidade natal, para explicar o fato. Ele alega que informou a UCI,
no dia 24 de agosto, que a única explicação para o positivo é o possível
consumo de algum alimento contaminado com a substância clembuterol.

O clembuterol é um medicamento utilizado para o combate à asma e outras
doenças respiratórias, já que atua como descongestionante e broncodilatador.
Ele é usado por atletas e fisiculturistas, também, por seus efeitos
termogênicos e anticatabólicos.

Fonte site prologo
Por e-mail: Alysson

BICICLETA ROUBADA

Bicicleta roubada no dia 28/09, na região da Pampulha, precisamente no bairro Bandeirantes próximo à Av. Cecília.
Tendo em vista a recuperaçao da mesma, escrevo os dados abaixo e peço para que entrem em contato caso tenham a visto.
Cel. 8805-7904
Cel. 8418-1260

- GIANT T MOBILE
- PEDAL LOOK
- COMPONENTES DURA-ACE COMPLETA
- RODAS MAVIC UTIMATE

Característica:

- Cor do Quadro preta com detalhes em rosa.
Obs: Ela foi roubada dentro de casa junto com outros pertences.

Bicicletarias em Belo Horizonte

Bicicletarias em Belo Horizonte

Pista para ciclismo no RJ. Que beleza!

Autódromo de Jacarepaguá é liberado para ciclistas no Rio

Os ciclistas do Rio de Janeiro e principalmente da Zona Oeste, podem comemorar. Desde o início do mês eles tem mais um local para treinamento, o autódromo de Jacarepaguá. A pista do circuito foi liberada para atletas da Federação de Ciclismo do Estado Rio de Janeiro e Federação de Triathlon. Os treinos podem ser realizados de segunda a quinta das 06 as 16h.

A conquista representa mais que uma nova opção de local de treinamento. "A liberação do autódromo é fundamental para o crescimento do ciclismo no rio, trata-se de um lugar seguro para treinamento, onde não será preciso dividir espaço com veículos motorizados. A questão da segurança é um ganho enorme". disse Bernadino de Oliveira, diretor de ciclismo de estrada da Federação de Ciclismo.

O uso do autódromo Nelson Piquet também irá minimizar mais um risco que os ciclistas precisam enfrentar: o de sofrer assaltos. Lógico que antes de chegar ao autódromo os ciclistas correm o risco, mas uma vez lá dentro, podem treinar seguros, pois há policiamento", afirma Claudio Santos presidente da Federação.


http://www.pedal.com.br/autodromo-de-jacarepagua-e-liberado-para-ciclistas-no-rio_texto3324.html
Por e-mail: Augusta

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Velódromo em Belo Horizonte. Será que sai?


Olha que legal! Abs

Matéria no blog:
http://ricardoalcici.blogspot.com/2010/09/velodromo-de-belo-horizonte.html
Ricardo Alcici - Treinador Esportivo & Ciclista Profissional

Pelotão do Edgar

Edgard volta nesta próxima quinta com seu pelotão e convida todos os atletas de Belo Horizonte a pedalar com ele. Será nesta quinta feira as 18:00 hs em frente da Igrejinha de São Francisco, na orla da lagoa da Pampulha em Belo Horizonte. O pelotão sairá as 18:30 para 4 voltas em torno da lagoa em uma velocidade média de 35km/h.Edgard pretende que este pelotão se repita todas as quintas feiras e passe a ser referencia no ciclismo de BH, mas para isso conta com a sua presença.


"SE NÃO CHOVER" vai ter

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Vídeos



Filme feito em Abene, Senegal.
No pátio de um bar, um sujeito faz peripécias em cima de uma bicicleta que você possivelmente só teria oportunidade de ver no Cirque du Soleil, pagando muito caro pelo show. O cara é muito bom. Confira sem medo.

Vídeo - 1 Passeio Ciclístico Pratique Gentileza

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Passeio Ciclístico Pratique Gentileza

AS FOTOS ESTÃO NO BLOG:

Acidente Sábado na Lagoa da Pampulha

Amigos.
Como muitos já sabem, neste sábado passado, devido afalta de responsabilidade de um motorista, mais uma vez três ciclistas saíram prejudicados.
O carro rodou e bateu sua lateral nos três, causando cortes profundos nos braços de Rogério e luxação no joelho de Marcus.
Eles pertencem a turma do Banco, como são conhecidos.
As primeiras notícias que me chegaram foram ruins, até de fraturas graves falaram.
Porém apesar de tudo "estão bem" e tiveram um grande prejuízo material.
Agora é acionar o seguro obrigatório e também o irresponsável que causou tudo isto.
Espero que tenham melhor sorte que nosso queridíssimo Marcin que até hoje não recebeu nada e ainda luta pela sua saúde.
Melhoras amigos.
Não desanimem e voltem o mais breve possível ao ciclismo.
Frango

Isabella Lacerda recebe prêmio de Mérito Desportivo de Itaúna



A Câmara Municipal de Itauna-MG, por seus representantes legais, em especial
vereador Vicente Paulo de Souza, e pela resolução número 26/2010, de 11/08/2010,
outorga o diploma de destaque de Mérito Desportivo à atleta de Mountain Bike, campeã
brasileira, Isabella Moreira Lacerda, como reconhecimento público pelo destaque no
cenário esportivo, honrando o nome da cidade, Itaúna.
A solenidade realizou-se dia 24 de Setembro, no Grande Teatro da Universidade de
Itaúna.
“Fiquei super feliz e honrada por estar recebendo este prêmio, uma forma de
reconhecimento de todo meu esforço e dedicação ao esporte, levando o nome de Itauna
ao cenário nacional e internacional’ diz Isabella Lacerda.

O poder da hidratação

Entenda a importância de isotônicos e água para o seu pedal



Por Tadeu Matsunaga


Durante a prática da atividade física o processo de hidratação torna-se ponto chave para o ciclista, seja no pedal com os amigos, no treinamento ou nas competições. O desgaste intenso e as altas temperaturas obrigam os profissionais, em alguns momentos, a ingerir entre 10 e 12 litros de água e ou isotônicos por etapa.

Fica claro, portanto, a importância dos repositores energéticos/ água na vida dos atletas,estando ou não sobre a bicicleta. Muitos, porém, não sabem o porquê de tanto destaque e cuidado com este processo.

Em conversa com a nutricionista Bruna Pineda, o Prólogo buscou destrinchar e apresentar as características e funções dos líquidos dentro do esporte.
“As bebidas energéticas são compostas por cafeína, taurina (aminoácido), vitaminas e podem conter uma fonte de carboidratos e outras substâncias, cujo objetivo é fornecer energia e aumentar o desempenho quando utilizados por praticantes de atividade física e atletas”, disse Bruna.
Os repositores hidroletrolíticos, ou isotônicos, são produtos formulados a partir de concentração variada de eletrólitos (sódio, cloro), associada a concentrações variadas de carboidratos. Opcionalmente, estes produtos podem conter potássio, vitaminas e ou minerais. O objetivo é repor líquidos e eletrólitos perdidos através da transpiração o e manter glicemia adequada durante a atividade física, principalmente, as de longa duração.
Para os que imaginam que a ingestão desses suplementos melhora o rendimento; prepara-se, pois estudos mostram que o efeito não é absolutamente nada disso.
“Estudos realizados com bebidas energéticas não demonstram melhora significativa na performance de praticantes de atividade física e atletas. O único ingrediente com efeito ergogênico comprovado é a cafeína, que afeta quase todos os sistemas do organismo, sendo seu efeito mais significativo no sistema nervoso central (SNC)”, explica a nutricionista.
“Quando consumida em baixas dosagens, provoca aumento do estado de vigília, diminuição da sonolência, alívio da fadiga, aumento no metabolismo, entre outros efeitos benéficos para o exercício. Porém em altas dosagens podem causar sintomas como nervosismo, insônia, tremores e desidratação.”
Bebidas energéticas podem não ser recomendadas para atletas, pois contém alta concentração de carboidratos, além de substâncias, com exceção da cafeína, que não acrescentam nenhum efeito no desempenho esportivo.
Já os isotônicos devem ser utilizados em atividades físicas intensas (basquetebol, futebol), ou de longa duração (duração maior que 1 hora), ou ainda em lugares com elevado estresse térmico (temperatura e umidade elevadas). Por conterem ingredientes em concentrações adequadas e equilibradas, tendem a facilitar o esvaziamento gástrico e otimizar a absorção intestinal otimizada, o que facilita o controle das concentrações de eletrólitos (principalmente sódio) e glicose no sangue.
“Seu uso é benéfico e indicado nos casos anteriormente citados, porém, por conter grande concentração de eletrólitos seu uso não é recomendado para indivíduos com predisposição a problemas renais, já que o excesso de minerais da bebida eliminado pelo rim pode levar a formação dos cálculos renais”, ressaltou.
A água é uma ótima opção de hidratação, por ser barata, facilmente disponível e ocasionar um esvaziamento gástrico relativamente rápido. Entretanto, para indivíduos que praticam atividade física intensa, prolongada, ou em ambientes com elevadas temperatura e umidade, ela possui desvantagens, já que não fornece eletrólitos e carboidratos, importantes para a manutenção da performance.
‘Para estas situações recomenda-se a ingestão de líquidos (isotônicos) que reponham os eletrólitos e forneçam carboidratos para evitar principalmente a hiponatremia (baixa concentração de sódio plasmático) e a hipoglicemia (baixa concentração de glicose plasmática), que prejudicam significativamente o desempenho do indivíduo, podendo causar sérios danos a saúde do mesmo”, finalizou Bruna Pineda.
Deve-se ingerir líquidos antes, durante e após o exercício, em quantidades que variam individualmente, de acordo com as características pessoais e o tipo de atividade física praticada.
Bom pedal!!
fonte:
http://prologo.uol.com.br/scripts/materia/materia_det.asp?idMateria=4426&idCanal=19&stCanal=Nutri%E7%E3o

Mountain Bike




MOUNTAIN BIKE


Corrida "cross country" de mountain bikes

Mountain Bike, ou Bicicleta de Montanha, é um tipo de bicicleta usado no Mountain Biking, uma modalidade de ciclismo na qual o objetivo é transpor percursos com diversas irregularidades e obstáculos. Em alguns países de lingua latina o esporte é chamado de Bicicleta todo terreno ou BTT (que significa Bicicleta Todo o Terreno). No Brasil é chamado popularmente de Mountain Bike, eventualmente de Ciclismo de Montanha ou Mountain Biking e comumente abreviado como MTB ou esporadicamente como BTT, sendo esta abreviatura a mais usada em Portugal e nos restantes países lusófonos.

O Mountain Bike é praticado em estradas de terra, trilhas de fazendas, trilhas em montanhas e dentro de parques e até na Cidade.

Mountain Bike é um esporte que envolve resistência, destreza e auto-suficiência. Como é comum a prática do esporte em locais isolados, o aspecto de auto-suficiência é importante para que o ciclista consiga realizar pequenos reparos em sua bicicleta.

História

A modalidade desportiva mountain bike nasceu na Califórnia no meio da década de 1950 através de brincadeiras de alguns ciclistas e de alguns surfistas que procuraram desafios bem diferentes das competições de estrada tradicionais e atividades para dias sem ondas.

Os primeiros nomes que apareceram foram: James Finley Scott: "provavelmente" a primeira pessoa a modificar uma bike exclusivamente para andar na terra - em 1953. Utilizou um quadro para passeio Schwinn, pneus largos, conhecidos como balão, guidão reto, freios cantilever e trocadores de marcha; Tom Ritchey e Gary Fisher: pioneiros na práctica do desporto e no desenvolvimento de componentes em série, como futuramente bicicletas próprias para o novo estilo. Fundadores das empresas Gary Fisher e Ritchey; Joe Breeze: Confeccionou a primeira bicicleta para a pratica do Mountain Bike, a Breezer # 1 em outubro de 1977.

Equipamento


Exemplo de uma bicicleta Mountain Bike, com configuração adequada a Cross-Country e Trip-Trail

As bicicletas de mountain bike diferem das bicicletas de estrada em diversos aspectos:

  • Usam pneus mais mais largos e cardados (com cravos e geralmente acima da largura 1.5"), que absorvem impactos de forma mais eficiente, são robustos, possuem maior aderência em terrenos enlameados e oferecem maior controle e tração da bicicleta em terrenos acidentados, na areia e na lama. Em contrapartida, oferecem baixo desempenho em trechos asfaltados.
  • Usam amortecedores, na frente, atrás ou dois, um na frente e outro atrás, conhecidas como bicicletas Full Suspension, projetadas para oferecerem maior conforto e, consequentemente, reduzir os impactos sentidos pelo ciclista e permitir maior controle da bicicleta. É importante ressaltar que não é necessário possuir o amortecedor traseiro, motivo pelo qual diversos ciclistas de diversas categorias do Mountain Bike preferem bicicletas Hardtail ( rabo duro, em inglês, ou bicicletas rígidas, com ou sem amortecimento dianteiro) do que Full Suspension ( suspensão total, em inglês, ou bicicletas com dois amortecedores). Eles podem ter diversos sistemas de amortecimento: amortecimento pneumático, entre outros sistemas combinados (mola com elastômero, mola com ar, mola com óleo, aro óleo e mola, ou até mesmo elétricos (elementos de amortecimento, mais o circuito eletrônico).
  • Possuem quadros reforçados e mais resistentes, especialmente nas modalidades que incluem saltos e quedas de grandes alturas, mas sem comprometer gradativamente no peso do conjunto, como é o caso das bicicletas destinadas para a categoria All Mountain;
  • O guiador (guidão) pode possuir diversos formatos, cada um com suas vantagens e desvantagens. Podem ser retos (inicialmente utilizou-se guidões retos) ou curvos, com diversas angulações.
  • Possuem aros de 24", 26" e, lançado há poucos anos, bicicletas com rodas de 29", conhecidas por 29er. Em geral, utiliza-se 26", em vez dos aros 700 do ciclismo de estrada. Os aros costumam ser de parede dupla, mais reforçados e pesados que os de ciclismo de estrada, de modo a evitar deformação nas ultrapassagens de obstaculos. Recentemente está sendo usado também aros de 29" e misturas, como 29" na frente e 26" atrás e vice-versa.

As relações de marchas, icicialmente, eram maiores e mais leves que nas bicicletas estradeiras, mas possuem a mesma precisão. Hoje em dia a quantidade de marchas varia de 21 marchas até 27 marchas. Recentemente também foi adotada a quantidade de 30 marchas.
A tendência de mercado é que bicicletas de montanha venham a ter a relação de marchas muito próxima às bicicletas de estrada, como é o caso de muitas Mountain Bikes de Cross Country que começaram a ser equipadas com relação de 20 marchas (10 marchas na catraca e duas na coroa), como é o caso das bicicletas de estrada.

Modalidades


Ciclista praticando Freeride

Há várias modalidades esportivas que podem ser incluídas na categoria Mountain Bike. O equipamento mínimo em todas elas, além de uma bicicleta adequada, é composto de capacete, luvas, uma câmara-de-ar reserva, bomba-de-ar, água (mochila com depósito ou cantil encaixado na bicicleta, com água ou mistura isotónica)e alimentos (geralmente barras de cereal, frutas ou algo igualmente rico em carboidratos e fácil de carregar). E o mais importante: por ser um esporte, de maneira geral, individual, é de extrema importância que o ciclista possua conhecimentos básicos de manutenção e reparo de bicicletas.

  • Cross-country ou XC: É a prova disputada em um estradas de terra, de curta distância (raramente acima dos 30 quilômetros), podendo ser de circuito fechado (XC Marathon ou Olimpic, em que os competidores devem completar um certo número de voltas para terminar a prova) ou de ponto a ponto (Cross Country Trip Trail).
  • Trip Trail ou Maratona: É o tipo de prova em que o percurso é longo e leva de um ponto a outro, que pode ser ou não o mesmo do início da prova. Sendo no mesmo ponto, você só dá uma volta. Tem o nome Trip Trail porque é praticamente uma viagem por trilhas e estradas de terra. Quando o percurso é bem longo, pode ser chamado também de Maratona e chega a levar dois ou até três dias. Exemplos nacionais de provas dessa modalidade são o Big Biker e o MTB Trip Trail Ecomotion. Esse tipo de prova pode compor uma das modalidades de um rali, sendo as outras com veículos automotores - como é o caso do Cerapió. Outras vezes, uma prova de Trip Trail compõe um dos trechos de uma Corrida de Aventura, como por exemplo o Ecomotion Pro. As trilhas feitas por lazer pelos entusiastas do Mountain Bike costumam ter a característica de um trip trail.
  • Downhill ou DH: No downhill, o ciclista passa por um percurso em descida, com no máximo algumas poucas retas, precisando passar por terreno bastante irregular, natural ou artificial, com jumps (pontos de salto), gaps (vãos a serem transpostos com ou sem ajuda de rampa) e drops (grandes degraus onde o ciclista se deixa "cair" para transpor), enfrentando situações de bastante risco. Nesse tipo de prova costuma-se usar um capacete full-face (capacete fechado que protege o queixo, parecido com o de motociclismo), joelheira com caneleira e muitas vezes colete e cotoveleira. Os ciclistas descem um a um, com tomada de tempo individual. Um exemplo é o Campeonato Brasileiro de Downhill, organizado pela Confederação Brasileira de Ciclismo (CBC).
  • Freeride: Uma variação do Downhill, o Freeride é utilizado como forma de lazer, tendo como principal diferença a utilização de terrenos variados, em vez de apenas descidas, além dos passeios chamados north shores - que consistem em andar por cima de árvores caídas ou por trajetos no alto de madeiras, criados dentro de florestas. Como conseqüência, a bicicleta de Free ride apresenta algumas variações em relação ao Downhill, como por exemplo o uso de mais de uma coroa (na relação de marchas dianteira). Os passeios de Freeride dentro das cidades são chamados comumente de Urban Assault e usam obstáculos urbanos, freqüentemente escadarias, além de obstáculos construídos de forma fixa ou obstáculos removíveis que são montados na hora e levados embora depois. Downhill, Freeride e 4X são considerados por seus praticantes como "o lado extremo do ciclismo".
  • 4X: O 4X é uma modalidade que possui obstáculos derivados do BMX em um terreno inclinado, tendo largada com gate no estilo BMX, onde quatro competidores descem simultaneamente. Deriva do BMX e do Dual Slalom - uma modalidade em que desciam dois competidores por vez e que era mais parecida com o Downhill. O Dual Slalom caiu em desuso com a introdução do 4X. Os pilotos de 4X costumam vir tanto do BMX como do Downhill. É uma modalidade de ciclismo que tem caído nas graças da TV aberta, tendo eventuais transmissões pela Rede Globo.
  • Trial: - Nessa modalidade, o percurso consiste de obstáculos diversos para serem transpostos pelos competidores, que podem ser compostos de cavaletes, troncos, pedras, latões, muros e até carros. As bicicletas costumam ter quadros pequenos, reforçados, freios hidráulicos, protetor debaixo da coroa e pneus mais vazios, principalmente o traseiro, que além de mais vazio não tem câmara, é mais largo e composto de uma borracha bem mole, para aumentar o grip. Os competidores começam com determinada pontuação e perdem pontos a cada vez que tocam o chão com algum dos pés.
  • BMX: O nome deriva de Bicycle Motocross, pois as primeiras bicicletas imitavam essas motos. As provas são disputadas em circuito com várias voltas e obstáculos como jumps e curvas de parede, geralmente por competidores muito jovens, com bicicletas menores, de aro 20". Há outras modalidades relacionadas ao BMX, como por exemplo Vertical e Freestyle.
  • Enduro de Regularidade: É a prova disputada com uma planilha, que contém as referências a serem seguidas e a média horária estipulada pela organização. O objetivo desse tipo de competição não é ser o primeiro a chegar, mas sim ser o mais regular. Chegar no horário exato concede ao competidor ZERO pontos. Para cada segundo de atraso ele será penalizado com UM ponto e para cada segundo adiantado, TRÊS pontos. O vencedor será aquele que obtiver o menor número de pontos. Normalmente é disputado em duplas. A prova é disputada em estradas abertas e trilhas fechadas.

Fonte: Wikipédia

Fonte:

http://www.colunadoesporte.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=101&Itemid=194

Morre Jure Robic


Por Tadeu Matsunaga

O esloveno Jure Robic, pentacampeão do Race Across America (RAAM), faleceu nesta sexta-feira, atropelado por um carro enquanto treinava em sua cidade natal.
De acordo com a polícia, o acidente fatal ocorreu em uma estrada florestal em Jesenice.
O ciclista era considerado o Lance Armstrong das provas de resistência e de ultrafondo. Nascido em 1965, Robic foi profissional e membro da seleção de seu país.
Seu destaque, entretanto, foi no ciclismo extremo onde obteve mais de 100 vitórias, onde destacam-se as cinco vitórias no RAMM em 2005, 2007, 2008, 2009 e 2010.
Ele recebeu o prêmio de atleta do ano na Eslovênia, sendo considera uma das maiores celebridades no país.

Por e-mail: Claiton Abilio
fonte: http://prologo.uol.com.br/scripts/materia/materia_det.asp?idCanal=0&idMateria=4709

Como foi o Dia Mundial Sem Carro em BH

Desafio Intermodal

No último dia 21 de setembro, o Mountain Bike BH realizou, pelo quarto ano consecutivo, o Desafio Intermodal. Cerca de vinte voluntários, nos mais diversos meios de deslocamento, saíram da portaria da PUC, no Coração Eucarístico, e foram até a Praça da Liberdade, na região central. Ao chegar, cada voluntário preencheu um formulário com o tempo dispendido, o custo, as calorias gastas, e outras informações, que vai servir de base para um relatório comparativo entre os diversos modais. O relatório levará em conta também a emissão de poluentes. Os tempos de cada uma das modalidades estão aqui.

Pedalada do Dia Mundial sem Carro

No dia 22 de setembro, Dia Mundial Sem Carro, o Mountain Bike BH promoveu uma pedalada-manifesto pela Avenida Contorno. Com o apoio de vários grupos de ciclistas, cerca de 210 participantes saíram da Praça da Liberdade e percorreram os 13 km de extensão da Avenida do Contorno. Ao longo do percurso foram distribuídos aos motoristas cerca de 2 mil panfletos educativos.

O passeio contou com a presença do Greenpeace, que montou um contador de “carros a menos”, indicando a quantidade de ciclistas presentes para a pedalada. Na oportunidade, o BHTrans, por meio de seu presidente, anunciou o início da construção de 20 km de ciclovias e a licitação para o projeto de mais 30 km.

Vídeo - Lucas Moreira

Repercussão

TV Alterosa – Alternativas para o transporte urbano
TV Globo - Como foi o Dia Sem Carro em BH

Jornal O Tempo – Um Alerta para as grandes cidades
Jornal O Tempo – BHTrans apresenta proposta de 30km de ciclovias
Jornal Estado de Minas – Belo Horizontinos não aderiram ao Dia Sem Carro
Jornal Hoje Em Dia – BH terá 150 km de ciclovias
Revista Ragga – Automóveis ficam em casa na campanha da Ragga

Fotos – Martuse FornaciariAnimoto
Fotos – Maria Augusta
Fotos – Gabriel Antonoff
Fotos – Rodrigo NorremoseVídeos

http://viniciusmz.multiply.com

-Vinícius Mundim Zucheratto
----------------------------------------
Cel.: +55 31 9133-7574
MSN: vinicius.mz@hotmail.com
----------------------------------------
www.bdmg.mg.gov.br
www.indec.org.br
www.mountainbikebh.com.br

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Neste Domingo - 1° Passeio Ciclístico Pratique Gentileza

Não percam.
Venham pedalar com seus filhos, amigos e vizinhos.
MARCO ZERO/LAGOA DA PAMPULHA

AS PRIMEIRAS 1.500 INSCRIÇÕES GANHAM UM KIT ESPECIAL.
INSCRIÇÃO: 1 KG DE ALIMENTO NÃO PERECÍVEL.

Maiores informações no blog:
www.ligamineiradeciclismo.blogspot.com

Video - Reparador de bicicletas


BOM FINAL DE SEMANA!!!

Treinamento e Sistema Imunológico

Leia a matéria no blog:
http://ricardoalcici.blogspot.com/2010/09/treinamento-e-sistema-imunologico.html

Notícias do Esporte - NOVO CICLISMO SÃO JOSÉ DOS CAMPOS(23/09/2010) quinta-feira


23 de setembro de 2010
Reformulada equipe de São José disputa Tour do Brasil Volta Ciclística do Estado

A Prefeitura, através da Secretaria de Esportes e Lazer, anuncia o início de um novo ciclo para a equipe de ciclismo da cidade, com a participação no Tour do Brasil Volta Ciclística do Estado de São Paulo 2010, entre os dias 16 e 24 de outubro. Com 13 integrantes remanescentes da extinta equipe e sob o comando de nova comissão técnica, a equipe conta com novos parceiros e administração da Prefeitura de São José dos Campos para o término da temporada 2010.

A equipe terá o comando do técnico Celso Anderson e será composta pelo massagista Antonio Carlos Hunger e mecânico Eduardo de Souza Oliveira que apostam no novo projeto junto aos atletas Fabrício e Maurício Morandi, Soelito Gohr, Armando Camargo, Daniel Rogelin, Francisco Chamorro, Robson Batista Vieira ‘Bodão’ e Robson Ribeiro Dias, no masculino e as ciclistas Débora Cristina Gerhard, Janildes Fernandes e Luciene Ferreira da Silva. Integrarão também a equipe os novos atletas Claudia Tollendal, Wagner Pereira Alves e Maicke Rene Monteiro.

Para o técnico Celso Anderson o desafio está lançado para o fim da temporada. “Nosso objetivo é organizar as ideias e metas para o final da temporada 2010 e para isso a experiência do grupo será de fundamental importância. Neste momento precisamos assimilar os novos caminhos e ir conquistando os resultados aos poucos. Temos atletas de alto nível que estão focados para continuar a representar São José dos Campos”, salientou o técnico Celso.

Acreditando no novo momento, a Prefeitura conquistou novas parcerias com as empresas: Shopping Colinas, Top Mix, XPro, IBFactoring e Cannondale Brasil.

Para Marcelo Donnabella, representante das empresas Top Mix e XPro, este será um novo desafio. “Acreditamos no novo projeto de São José dos Campos e fechamos o apoio para o término da temporada com boas perspectivas para 2011”, comentou Donnabella.

Neste novo ciclo, a equipe de ciclismo tem como meta a disputa do Tour do Brasil Volta do Estado de São Paulo (16 a 24 de outubro), Jogos Abertos do Interior (no mês de novembro em Santos) e a Copa da República para terminar a temporada 2010 sabendo que este será um momento de total reformulação e de novos desafios para voltar a brilhar dentro do cenário estadual e nacional.

As negociações com os atletas que permaneceram na equipe foram realizadas por representantes da Secretaria de Esportes e Lazer, logo após o anúncio do encerramento das atividades da equipe Scott/Marcondes César que representou a cidade nos últimos 13 anos.

Celso Anderson

- 40 anos, duas filhas, iniciou no ciclismo aos nove anos, foi atleta de destaque com conquistas de quatro títulos Brasileiros e 12 títulos Paulistas.

- Ex-técnico da equipe Padaria Real de Sorocaba.

- É proprietário da importadora Cannondale e comentarista dos canais ESPN.

- Vem de família de ciclistas e teve como referência seu irmão mais velho Clóvis Anderson, ciclista brasileiro com melhor tempo em Olimpíadas de Seul - 10º colocado.


Equipes principais de São José dos Campos

Atualmente, 49 equipes de 25 modalidades esportivas são mantidas pela Prefeitura através do Fundo de Apoio ao Desporto Não Profissional (Fadenp) e por patrocinadores através da Lei de Incentivo Fiscal (LIF). Elas disputam competições das federações e confederações esportivas, além de atuarem com destaque nos Jogos Abertos da Juventude, Jogos Regionais e Jogos Abertos do Interior, fazendo com que São José dos Campos figure entre as potências esportivas do Estado.

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Entre para um grupo de ciclismo e vença o medo de pedalar no trânsito

By Equipe Minha Vida Segunda-feira 13/9/2010 16:03 BRT

Equipe Minha Vida

As pedaladas têm gostinho de superação quando você é criança. Difícil encontrar quem não se lembre com sorriso do dia em que o equilíbrio venceu e as rodinhas foram deixadas de lado. Sensação parecida aparece quando, para deixar de sofrer com o trânsito da cidade, muita gente resolve apostar na bike. Dispostas a vencer o desafio de enfrentar buracos, lombadas e motoristas impacientes, muitas pessoas procuram estímulo extra nos grupos de ciclismo. "Em turma, o entusiasmo e a segurança aumentam, favorecendo a prática", afirma o professor Leandro Carvalho, que trabalha com treinamento e assessoria de corrida de rua e ciclismo.

Lívia Araújo começou tímida, arriscando pegar a bicicleta de vez em quando para ajudar na dieta. Tomou gosto pela brincadeira e ingressou no Massa Crítica, grupo de ciclistas urbanos de Porto Alegre (RS). A turma usa a bike como meio de transporte para a maioria dos deslocamentos e se reúne uma vez por mês para pedalar como diversão. "Hoje pedalo para o trabalho, faço passeios e também usa a bicicleta quando preciso fazer pequenas compras", conta. Mas ainda não é fácil, existe uma guerra entre carros, motos e bicicletas. Lívia acredita que o espaço das bicicletas deve ser respeitado, sem imposição. "A cidade só tem a ganhar com mais ciclistas nas ruas".

Ela conta que, no Massa Crítica, os novatos têm todo o apoio dos mais experientes quando há subidas e movimentos mais arriscados em ruas agitadas. Também faz parte da rotina do grupo a troca de informações sobre os cuidados mecânicos e sobre alimentação, tudo em nome de um dia a dia mais saudável. "No grupo, essas conversas são naturais, fazem parte da rotina. Você sente o clima de cooperação e, quando menos imagina, já se sente parte daquilo tudo, seus hábitos já foram completamente transformados pela bicicleta".

Medo de ficar para trás
A regra, comum a todos os grupos, não deixa brecha para confusão. Nenhum ciclista deve ser deixado para trás e a descoberta de distâncias e percursos desafiadores precisa fazer parte da programação. "Não há espaço para desmotivação, nosso esforço é para que cada vez mais pessoas sintam os efeitos desta prática, sintam o quanto ela pode melhorar a qualidade de vida não só de quem pedala, mas também de quem tem a chance de viver numa cidade menos congestionada e menos poluída", afirma Alessandro Della Giustina, da Associação dos Ciclousuários da Grande Florianópolis.

Em relação à segurança, optar por um grupo de ciclismo outra vantagem. "É muito mais difícil um motorista cometer uma imprudência e colocar em risco a vida de uma massa sobre rodas do que de um ciclista sozinho. E, no caso de quem pedala à noite, sempre há alguém que fazer companhia até em casa após o circuito", lembra a ciclista Lívia, do Massa Crítica. No caso de haver acidente, o grupo consegue socorrer e providenciar todo suporte necessário muito mais facilmente, além de serem reduzidas as chances de assalto.

Guerra contra os carros
Aumentar a rede de amizades também fica mais fácil quando você entra para um grupo e passa a ganhar intimidade com esse modelo mais saudável e ecológico de circular por aí. "Você precisa prestar atenção em si e também nos outros, acompanhando o ritmo da turma e se adaptando às mudanças. É um exercício para o corpo e também para a mente", afirma Maurício Soares Lima, do grupo Floripa Bikers, de Florianópolis (SC), que se reúne duas noites por semana para circular pela cidade.

Também existe quem aposte nas pedaladas para se afastar da rotina, como é o caso do movimento Pedala Joinville. "Nossos pedais são sempre para regiões rurais, sem pressão, barulho e livre dos perigos do trânsito. A gente aproveita mais o esporte e também fica mais fácil fazer novas amizades", afirma Roberto Andrich, integrante do grupo.

Mas quem experimenta garante que o difícil mesmo é reservar somente algumas ocasiões para as pedaladas. Willian Cruz não aguentava mais dirigir em São Paulo e, há sete anos, trocou seu carro por uma bicicleta. "Conheço os riscos. Mas acho que o grupo tem um papel importante nisso, a pessoa vai ganhando segurança para cair nas ruas sozinho quando não é dia de pedalar com a turma".

Por outro lado, o grupo também ensina os ciclistas a respeitarem os carros e as motocicletas. Uma lição importante quando se tem em conta o número reduzido de ciclovias que cortam as vias urbanas. "Oferecer passagem, prestar atenção nos sinais de trânsito e evitar a competição com os outros veículos são práticas de grupo que tornam-se naturais quando você está pedalando."

Volta ao mundo de bicicleta
Você já imaginou dar a volta ao mundo de bicicleta? Um grupo de amigos de infância não só imaginou como começou a jornada em abril deste ano. "Nós optamos pela bicicleta para fazer essa viagem porque ela não polui, não produz resíduo e não agride o meio ambiente. Além de ser um esporte que estimula o corpo e a mente. Sua velocidade proporciona um contato direto com a natureza e com as pessoas", diz Kico Zaninetti, um dos participantes do grupo denominado Nova Origem.

O roteiro dos amigos inclui a volta ao mundo de bicicleta para a realização de um estudo sobre sustentabilidade. A viagem contará com 45 mil km de bike, rodados em cerca de 40 países, durante quatro anos. O trajeto está dividido em três grandes etapas de aproximadamente 15 mil quilômetros cada. A primeira são as Américas, a segunda a Europa e Norte da África, seguidas pelo Sul da Ásia e pela Oceania.

Para traçar o panorama de sustentabilidade serão feitos plantios de mudas de árvores nativas da região, com o apoio de escolas e/ou comunidades locais. As mudas serão fotografadas e mapeadas no sistema de coordenadas universais para que possam ser visualizadas no Google Earth. Além disso, todas as informações apuradas pelo Projeto serão divulgadas em artigos, entrevistas fotos e vídeos e estarão disponíveis no site do Grupo Nova Origem. Outras redes sociais como o Orkut, Twitter, Flickr e Youtube também serão utilizadas para alcançar o maior número de pessoas possível para conhecer a iniciativa.

6 dicas para encontrar um grupo
1. Entre em contato com a Associação de ciclistas da sua cidade. Eles podem recomendar grupos sérios e comprometidos com pedaladas seguras.
2. Reflita sobre seus interesses em pedalar: rotas rurais, por exemplo, não ajudam se você tem como objetivo perder o medo para encarar o trânsito da cidade.
3. Pergunte sobre o limite de ciclistas permitido: há grupos de dez pessoas enquanto outros admitem até oitenta ciclistas pedalando ao mesmo tempo.
4. Faça perguntas sobre o preparo físico exigido: você pode perder o interesse rapidamente caso seja encaixado em uma turma com preparo físico muito superior ao seu e não sinta dificuldade demais para realizar os percursos.
5. Faça uma lista dos dias e horários mais convenientes para você. A bicicleta deve ser um meio de melhorar a sua qualidade de vida, e não mais uma fonte de estresse.
6. Busque opiniões de integrantes do grupo que você escolher. Assim, fica mais fácil ter uma idéia do clima que predomina entre os participantes e você já começa a se enturmar.

fonte:http://br.especiais.yahoo.com/socialbike/noticias/post/social_bike/12/entre-para-um-grupo-de-ciclismo-e-ven%26atilde%3b%26sect%3ba-o-medo-de-pedalar-no-transito.html

Vídeo

BH pode ter até 150 quilômetros de ciclovias até 2012


A BHTrans publica edital de licitação para contratar uma empresa para elaborar o projeto de ciclovias em BH
No dia mundial sem carro uma boa notícia para ciclistas e quem gosta de usar a bicicleta como meio alternativo de transporte.
A BHTrans publica, nesta quinta-feira, o edital de licitação que prevê a contratação de uma empresa para elaborar o projeto de 30 quilômetros de ciclovias em Belo Horizonte.
O lançamento é parte do programa Pedala BH, de incentivo ao uso da bicicleta, da Prefeitura de Belo Horizonte e coordenado pela BHTrans.
Nesta quarta-feira, das 18h às 19h, durante a concentração de ciclistas na Praça da Liberdade, organizada pelo grupo Mountain Bike BH, a BHTrans vai orientar a população sobre como usar a bicicleta de forma segura no trânsito de Belo Horizonte.
A empresa vai distribuir material educativo, como folhetos e dicas importantes para a segurança dos ciclistas que circulam no tráfego misto. Também serão distribuídos bandeirolas e adesivos refletivos para melhorar a visibilidade das bicicletas.
No dia 28 de setembro, serão entregues as propostas da licitação para a contratação da empresa que irá executar 16,6 quilômetros de ciclovias, abrangendo as regiões Leste, Nordeste, Estação Barreiro, Norte, Savassi e avenida Américo Vespúcio, entre as avenidas Antônio Carlos e Carlos Luz. A BHTrans também está elaborando um outro edital de licitação, que será lançado ainda este ano, para a contratação de um projeto para mais 103,4 quilômetros de ciclovias.
A expectativa é de que, até o final de 2012, Belo Horizonte contará com mais de 150 quiilômetros de ciclovias.

Por e-mail:christiano@steelsoluttion.com
fonte: Portal UAI

Bicicletas roubadas e furtadas

Mapa com os pontos que ocorreram roubos e furtos de bicicletas na Região Metropolitana de Belo Horizonte.Este mapa é administrado pela Associação Mountain Bike BH de Ciclismo. Caso queira informar alguma ocorrência favor entrar em contato pelo email contato@mountainbikebh.com.br



Descida das Escadas de Santos agora é Lei Municipal em Santos



Foi assinada no ultimo dia 29 de junho a Lei Municipal que institui no Calendário Oficial do Município de Santos o maior evento da modalidade urbana das Américas.
A prova vai para sua 9ª edição e hoje conta com a participação dos maiores pilotos do mundo. O evento é um modelo de inovações desde a sua primeira edição. Em 2004 trouxe o melhor piloto da época, o francês Cedric Gracia. Em 2007 a competição inovou com um sistema de cronometragem único na modalidade, dando condição do piloto chegar no seu limite e buscar o seu melhor tempo.
O evento acontecerá nos dias 04, 05 e 06 de fevereiro do ano que vem mas a sua preparação já está em pleno funcionamento. Cinquenta pilotos já estão inscritos sendo nove estrangeiros.
Depois de dois anos consecutivos de vitória brasileira, o evento foi vencido em 2010 pelo piloto Eslovaco, Fhilip Polc que já confirmou a sua presença em 2011. O rei em 2008 e 2009, Walace Miranda e a Rainha 2010, Luana Oliveira acabaram de chegar do Campeonato Mundial de MTB e também já confirmaram presença. O campeão brasileiro de Downhill da Confederação Brasileira de Mountain Bike, Markolf Bertchold, campeão da primeira edição em 2003 esteve no pódium este ano e não deve ficar de fora.
O evento segue o modelo português da prova realizada em Lisboa desde 2000. Este ano no seu décimo aniversário, pela primeira vez, teve um campeão da terra, o português Paulo Domingues, o Amarelo que também já confirmou presença em Santos em 2011.
A escadaria de 550 metros, 415 degraus, 14 curvas e um desnível de 150 metros aproximadamente foi percorrido em 2004 pelo francês em 1 minuto e 14 segundos. A evolução das bicicleta aliada a evolução da segurança da prova fez com que o eslovaco baixasse o tempo para menos de 1 minuto. Polc registrou a marca de 59 segundos e disse que tem muita vontade de diminuir, pois não ficou satisfeito com a descida que fez.
A prova faz parte do Projeto Verão Espetacular da Rede Globo de Televisão que transmite a final ao vivo no dia 06 de fevereiro a partir das 10h00.
Muitas novidades ainda estão por vir. A organização aguarda a confirmação de mais 6 pilotos Top 10 do mundo.
A Liesp, Liga de Ciclismo do Litoral do Estado de São Paulo realizadora do evento, entidade filiada a Federação Paulista de Mountain Bike e a Confederação Brasileira de Mountain Bike conta com o apoio da Secretaria Municipal de Esportes de Santos, Secretaria de Esportes, Lazer e Turismo do Estado de São Paulo e Ministério do Esporte.
A produção do evento fica por conta da Time MKT e Reunion Sports.
Agradecimentos ao Deputado Estadual Paulo Alexandre Barbosa, ao Deputado Federal William Woo , ao Prefeito Municipal de Santos, João Paulo Tavares Papa, a Secretaria de Esportes de Santos, Secretário Paulo Musa e sua equipe, ao autor da propositura Vereador Valdir na Hora, ao Presidente da Câmara de Vereadores de Santos, Vereador Marcus de Rosis, a Sociedade Melhoramentos do Monte Serrat, a Escola Estadual Barnabé, aos amigos Paulo e José Antonio do Complexo Turístico do Monte Serrat e a toda comunidade local que participa do evento.

Fonte: LIESP.COM.BR

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Desafio Intermodal e Dia Mundial Sem Carro


Em BH e no mundo todo, 22 de setembro é o Dia Mundial Sem Carro. Hoje será realizada uma pedalada-manifesto ao longo da Avenida do Contorno, abordando motoristas com panfletos educativos sobre o problema do uso excessivo de automóveis e a necessidade de um trânsito mais civilizado. Ontem foi feito o Desafio Intermodal, um teste comparativo entre diversos meios de transporte. Vários voluntários realizaram um mesmo deslocamento, no mesmo horário, cada um usando um meio diferente: carro, ônibus, metrô, moto, bicicleta, caminhada, corrida. No término do percurso houve um posto de controle, onde foi cronometrado os tempos e produzido relatórios sobre cada deslocamento.

Abaixo resultado de ontem do desafio.

Desafio Intermodal 2010- Quadro Resumo dos Tempos


https://docs.google.com/leaf?id=1hTfOkKToYm-5HKn8707p-FgFZM_vVQHwCRX8SJwERJtV7QlA3IENBY9EPHMd&hl=en

Na capa


Melhor montanhista do mundo. rsrsssss

Notícias de Rogério (da Look)

Muitos me perguntam por Rogério. Aí está o e-mail que recebi hoje.

Postei com a autorização do próprio.

Quanto à bike citada no e-mail, já postamos no blog anteriormente.

Frango


"Fala Frango

Quem lhe escreve é o Rogério ( ex- Look e agora Scott- rodas Boltrage); sumi né!! não sei se sabe. Mudei-me para São Paulo há 6 meses ( nova proposta de trabalho), trouxe a família e tudo mais, estou me adaptando bem, porém o pedal...puxa vida...a logística aqui é muito ruim devido ao trânsito, como para mim só posso pedalar a noite e neste horário não temos muita opção, somente a USP , e para chegar lá a noite ....Jesus cristo, ninguém merece gasto 1hora e meia, para locomover 12 km, aí fica tarde. Mas nos finais de semana, aí sim, tudo de bom as estradas aqui são maravilhosas; não está dando para manter o ritmo que tinha em BH ( pois morava ao lado da Lagoa) , mas dos males o menor, não estou parado. Recebi esta reportagem de uma Bilke que a Volks desenvolveu, achei legal para postar no Blog, que inclusive olho todo dia. Mande um abraço a todos que tanto lembro com carinho, em especial ao Dr. Cleber (meu cardiologista e amigo). Qualquer dia quando for a BH, passarei para rever os amigos e pedalamos juntos claro, mas do jeito que estou..... abra aí o pelotão “Z”...kkkk."

Grande Abraço.

Rogerio Diniz Silva

Vitória do Esporte

Hoje o presidente Lula assinou uma Medida Provisória estancando o sangue de uma das veias do esporte brasileiro que estava indo para o ralo.


Essa Medida Provisória melhora o controle do recurso que as confederações recebem, por meio de comprovações mais complexas do que os que estavam sendo aprovados, a toque de caixa e politicagem pelo órgão responsável por esta distribuição.

“A MP cria o contrato de gestão que estabelece as diretrizes, os objetivos e as metas para um ciclo olímpico e estabelece o volume de recursos necessários. Esse contrato é assinado entre governo federal, COB, CPB e as entidades, de modo que a população possa acompanhar a preparação e os investimentos nos nossos atletas.”

20/09/2010 15h44 - Mudanças no repasse da Lei Agnelo-Piva

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva assina nesta segunda-feira (20/09) uma Medida Provisória (MP) que promoverá mudanças no repasse de recursos da Lei Agnelo/Piva para as confederações esportivas. O Comitê Olímpico Brasileiro e o Comitê Paraolímpico Brasileiro (CPB) vão receber os recursos da lei mediante a assinatura de um Contrato Gerencial com metas a serem cumpridas pelas confederações.

Além das metas, o contrato definirá as prioridades de investimentos dos recursos públicos com o objetivo de desenvolver planos de trabalho para cada modalidade olímpica. A idéia é que o Governo Federal participe da aplicação destes recursos no esporte olímpico e paraolímpico.

Implementada em 2002, a Lei Agnelo-Piva destina 2% da arrecadação das loterias federais para o esporte. Oitenta e cinco por cento são repassados ao Comitê Olímpico Brasileiro (COB) e 15% ao Comitê Paraolímpico Brasileiro (CPB). Os comitês repassam as verbas para as confederações, que são as entidades responsáveis pelas modalidades esportivas.

A história deve continuar, mas vai dificultar o manuseio desse recurso, que estava na mão de verdadeiros "gatunos" desportivos.

Várias mudanças foram apresentadas nesta MP, uma delas é a apresentação de um exame anti doping em todos os atletas que receberem o benefício do Bolsa Atleta.

O esporte brasileiro não merece o que vemos hoje, uma grande conivência dos órgãos “competentes” com os “incompetentes”.

Não estamos no caminho das medalhas e sim do continuísmo e monopólio.

O esporte precisa melhorar e o MTB não pode ficar em segundo plano!

Acesse o link e lei na íntegra: http://www.esporte.gov.br/ascom/noticiaDetalhe.jsp?idnoticia=6372


Marcelo Gomes Coelho

Presidente

CBMTB – Confederação Brasileira de Mountain Bike

Fone: 55 13 3301 7215

Av. Ana Costa, 100 - Cj 31

Santos - SP

CEP.: 11060-000

Implantação da sede da FPMTB na FEENA – Floresta Estadual Edmundo Navarro de Andrade em Rio Claro



Primeira Federação Estadual de mountain bike a ter sua sede dentro de uma floresta estadual marca o início da regularização da atividade de mountain bike em unidades de conservação no território nacional.

A Fundação Florestal aprovou a implantação da FPMTB - Federação Paulista de Mountain Bike dentro da FEENA – Floresta Estadual Edmundo Navarro de Andrade, maior floresta de eucaliptos da América Latina, localizada em Rio Claro, SP.

O convênio firmado com a FPMTB autorizou a implantação da sede administrativa da entidade em um prédio histórico localizado na entrada da Floresta (o qual passará por reparos em breve). O tramite teve importante participação do deputado federal William Woo, que articulou o diálogo entre as partes de forma solicita e transparente.

O projeto, de autoria de Clayton Palomares, presidente da FPMTB, busca a disponibilização da área da Floresta para a realização de eventos ciclísticos, como passeios, competições, escolinha, cursos, dentre outros, bem como a implantação de sua sede, e de roteiros e trilhas de diversas modalidades do mountain bike.

Buscando a implantação de ciclofaixas na Floresta e de 05 modalidades desportivas até o final de 2010 (cross country, maratona, downhill, freeride e dirt jump), a FPMTB passa a fornecer diretrizes e jurisprudência para a implantação da atividade de mountain bike em unidades de conservação por todo o território estadual.

A Floresta de Rio Claro já está sendo palco de uma série de atividades de mountain bike que servirão de modelo para a implantação da atividade pelo resto do país, como a criação de projetos sociais como a Escola de Bicicleta (Transito/MTB) e o Night Bike na Floresta que foram inaugurados na ultima semana, além de passeios ciclísticos, competições, cursos e outras atividades que já vem sendo realizadas rotineiramente na FEENA.

Isso sem contar na importância que este convênio significa para o MTB nacional, pois a implantação das trilhas e roteiros de MTB dentro da FEENA marcará a regulamentação da atividade de Mountain Bike dentro de Unidades de Conservação, criando diretrizes para a implantação do esporte em áreas de preservação ambiental, passando a haver jurisprudência sobre tal e diretrizes preservacionistas a serem seguidas pelo esporte.

Fonte: FPMTB